Fernando Machado

Blog

O esplendor do Bloco da Saudade

E sexta-feira aconteceu nos salões da AABB, o penultimo o Acerto de Marcha do ano promovido pelo Bloco da Saudade leia-se a presidente Izabel Bezerra. E como sempre é um sucesso de publico e de animação. Lá quem reina é o frevo, seja ele de rua ou canção. É uma festa clássica para quem tem sensibilidade e bom gosto musical. Os falsos modernos acham os blocos líricos são caretas. São as vítimas do marketing imposto pelas mídias.

Amílcar Barbosa e Izabel Bezerra (Foto: Fernando Machado)

Claudia e Felipe Cabral de Melo e a flabelista (Foto: Fernando Machado)

Quando lá cheguei o Coral do Bloco da Saudade composto por 12 cantoras e a Orquestra de Pau e Cordas regida pelo Maestro Bozó (Eweron de Souza), cantavam Boneca composto por Aldemar Paiva e José Menezes. O coral de duas mil vozes respondia “Digam quem quiser, tu és boneca / Brinquedo do meu coração / Falem quem quiser, és a boneca / De olhos cor de sonho / Vestida de ilusão / És a boneca bonita / De trança comprida / Olhando pro chão / És a boneca dourada / Da loja encantada / Do meu coração”.

Célia e Luiz Lapenda (Foto: Fernando Machado)

Ely Madureira e Humberto Vieira de Melo (Foto: Fernando Machado)

E depois o publico vai à loucura com “Saudade, é isso que a gente sente / Saudade, é falta que faz a gente / Alguém que partiu / Alguém que morreu / Alguém que o coração não esqueceu / Podem tocar os clarins / As notas do prazer e da exaltação / Podem passar arlequins / Pierrots e colombinas no salão / Podem dançar e cantar / Não levam não, / A saudade do meu coração”, é exatamente nesse frevo de bloco de Aldemar Paiva que resume esse baile.

Gabriela Cavalcanti, Yago Braga e Bárbara Rodrigues (Foto: Fernando Machado)

Gildo Paes Barreto e Rosane Caracciolo (Foto: Fernando Machado)

Como era o aniversário do grande Getúlio Cavalcanti ele subiu ao palco depois ouvir os tradicionais parabéns para vocês cantou vários hits, como “Quem conheceu Sebastião / De paletó na mão / E aquele seu chapéu / Por certo está comigo crendo / Que ele está fazendo carnaval no Céu / Maracatu de Dona Santa / Nunca mais encanta / Ele já se foi / Cadê o seu frevar dolente / Ai!.. Adeus, adeus Emília” / Eu vou prá Brasília, / Ele assim falou “Meu carnaval vai ser bacana” / Com a Mariana ele comentou / Por fim chegou a Manuela / Ele disse é ela / Minha inspiração / E assim cercado de carinho / Disse adeus sozinho / O bom Sebastião”.

Os Guerreiros do Passo (Foto: Fernando Machado)

A Orquestra do Maestro Lessa e os Guerreiros do Passo (Foto: Fernando Machado)

Agora chegou a vez do frevo de rua e para tal entrou a Orquestra do Maestro Lessa e começou seu carnaval tocando O hino da Marinha em ritmo de Frevo. Foi lindo demais. E para dar mais beleza a intervenção aparece o grupo Guerreiros do Passo, que arrasaram quarteirão mostrando como surgiu o frevo, via capoeira, ao som de Esquenta Muié, de Nelson Ferreira; Três da Tarde de Lídio Macacão, tudo isso com direito a jogar talco nos passistas. Era o frevo sendo resgatado que o atual governo pernambucano tenta acabar. A apresentação do grupo terminou com os frevos Mexe com Tudo de Levino Ferreira e Cabelo de Fogo de Nunes.

As gêmeas Jane e June Matoso (Foto: Fernando Machado)

Leonardo Dantas e Terezinha Nunes (Foto: Fernando Machado)

E quando a orquestra começa a tocar Capiba o clube estoura de alegria. “Madeira do Rosarinho / Vem a cidade sua fama mostrar / E traz com seu pessoal / Seu estandarte tão original / Não vem pra fazer barulho / Vem só dizer… e com satisfação / Queiram ou não queiram os juízes / O nosso bloco é de fato campeão / E se aqui estamos, cantando esta canção / Viemos defender a nossa tradição / E dizer bem alto que a injustiça dói / Nós somos madeira de lei que cupim não rói”.

Renata Torres e Ricardo Correia (Foto: Fernando Machado)

Marcos e ConceiçãoBonaldi (Foto: Fernando Machado)

E um acerto de marcha sem “Pavão Dourado, Camelo de Ouro e Bebé / Os Queridos Batutas da Boa Vista / E os Turunas de São José / Príncipe dos Príncipes brilhou / Lira da Noite também vibrou / E o Bloco da Saudade, assim recorda tudo que passou.” E todos tinham razão para tal. E assim a noite foi passando com o toque do verdadeiro Carnaval do Recife desfilando pelos nossos olhos. Até a Lua Cheia se despedindo para dá vez a Quarto Minguante testemunhou que o Recife, apesar de tudo, ainda tem o melhor carnaval do Brasil.

Rose e Getúlio Cavalcanti (Foto: Fernando Machado)

Paulo Sarubbi e Regina Pinto Ferreira (Foto: Fernando Machado)

E quando de lá sai, tocava Voltei Recife, de Luiz Bandeira: Voltei, Recife / Foi a saudade que me trouxe pelo braço / Quero ver novamente “Vassoura” na rua abafando / Tomar umas e outras e cair no passo / Cadê “Toureiros”? / Cadê “Bola de Ouro”? / As “pás”, os “lenhadores” O “Bloco Batutas de São José”? / Quero sentir a embriaguês do frevo / Que entra na cabeça depois toma o corpo e acaba no pé”. E como compôs Capiba: Bela é tudo que é belo. / O perfume de uma rosa, / O sorriso da criança, / O que fica na lembrança. / Bela é ver o passarinho, / Indo em busca do seu ninho / Todo mundo se amando / Com amor e com carinho / Uns chorando e outros sorrindo de amor”.

0

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.