Fernando Machado

Blog

Tag universo

O declínio do Miss Universo

Já não se elege uma miss como antigamente. A frase é antiga, mas pelo menos nos concursos de Miss Universo na era Donald Trump ela é tão atual como o twitter para os internautas. E isto ficou bem evidenciado na última edição do mais importante evento de beleza universal, no dia 23, por meio de um festival de equívocos e desonestidades.

m-kosovo
Miss Kosovo, Marigona Dragusha (Fotos: site)

Todo o glamour que estávamos acostumados a acompanhar pela televisão nos tempos da passarela com mulheres lindíssimas, deu lugar a uma nova leva de pessoas cujo único objetivo é agradar ao vovô Donald Trump e sua corte cafonérrima.

m-larissa-baiana
Miss Brasil, Larissa Costa, com uma baiana que fazia jús ao concurso

Aliás, esse empresário deveria mudar o nome da competição de Miss Universo para Top Model Universal, pois estaria sendo mais honesto e coerente com o formato atual. Pois, se nos bons tempos da CBS Americana havia shows de artistas internacionais, cenários cinematográficos e misses deslumbrantes sendo anunciadas pelo carismático Bob Bakker, na era Trump o que temos assistido tem sido de uma pobreza franciscana.

m-mexico-karla-carrilo
Miss México, Karla Carrilo

Em tudo, desde a seleção dos ilustres jurados desconhecidos até as apresentações de cantores medíocres, dignos de shows suburbanos ou vaquejadas, e nunca de uma competição transmitida para o mundo. E o cenário desse último concurso, o que era aquilo…?

m-russia-sofia-rudyeva
Miss Rússia, Sofia Rudyeva

Mas o pior mesmo foi digerir as incoerências com a própria razão da existência da competição que seria eleger a mulher mais bonita do planeta. E as contradições, para não dizer injustiças ou arrumadinhos começou com a seleção das 15 semifinalistas. As melhores candidatas, como México, Colômbia, Rússia, Brasil, Itália, Espanha, China e Namíbia ficaram de fora do top 15.

m-tcheca-iveta-lutovska
Miss República Tcheca, Iveta Lotovská

Em seus lugares entrou um grupo estranhíssimo de garotas de beleza duvidosa, a pior seleção das três últimas décadas. E ainda tem missólogos que teimam em afirmar que são “mulheres com atitude, de beleza exótica”. E onde ficou a beleza de verdade, na melhor acepção desse termo? A das asiáticas e das negras, por exemplo? Algumas destes continentes deveriam compor o grupo das semifinalistas para mostrar a diversidade de raças existente no planeta.

Bem, sou do tempo que o termo “exotismo” era usado quando não queríamos dizer que uma pessoa era feia. E atitude não tem nada a ver com beleza. A palavra é politicamente correta quando empregada para expressar “gente com personalidade”, capaz de tomar uma decisão na hora diante de um acontecimento inesperado, de uma situação vexatória, algum imprevisto. Portanto, a palavra não combina com a beleza como estética.

E algumas das “belezas exóticas” que figuraram no Top 15, na verdade resultaram de um equívoco inquestionável de quem as escolheu – inocentemente ou propositalmente. Prefiro não opinar sobre o Top 5, até porque não quero ser taxado de “bairrista” ou decepcionado pela exclusão da brasileira. Até porque minhas candidatas eram Rússia, República Tcheca e México – os rostos mais bonitos. De uma coisa tenham certeza: quando existem interesses por alguma candidata no Top 5 para ganhar a competição, propositalmente são escolhidas quatro outras bem fraquinhas.

Após assisitir ao Miss Universo 2009, fiquei com a sensação de que esse certame não tem mais sentido depois que foi parar nas mãos do Donald Trump. Melhor seria que a TV Bandeirantes revisse esse contrato com o mega empresário americano e começasse a se voltar para o Miss Mundo, que é um evento de muito mais prestígio e credibilidade junto a comunidade internacional.

Até o formato do Miss Mundo é melhor. E a prova é quando se compara o número de países que enviam participantes às duas competições. Enquanto a quantidade de candidatas a Miss Universo não passa dos 80, no Miss Mundo as inscrições vão além de 110. (Jornalista Muciolo Ferreira)

Miss Universo de 2009

u-cinco-reuters
As cinco finalistas Republica Dominicana, Austrália, Porto Rico, Venezuela e Kosovo (Foto: Reuters)

O Donald Trump deve estar querendo investir na Venezuela. É a única justificativa para o título de Miss Universo ir novamente para lá. Infelizmente ganhou Stefania Fernandez da Venezuela o título de Miss Universo. Uma coisa ficou provada que não se faz mais miss como antigamente. O novo padrão é de top model. E vamos ficar combinados assim.

u-stefania-fernandez
Miss Universo 2009, Stefania Fernandez (Foto: Global Beauties)

A segunda colocada foi Ada Aimée de la Cruz (República Dominicana), o terceiro foi para mais classuda, lembrava a diva Audrey Hepburn, Marigona Drugsha (Kosovo), o quarto foi para Rachael Finch (Austrália) e o quinto para Mayra Matos (Porto Rico). A Miss Simpatia foi para Wang Jingyao (China) e a Miss Fotogenia para Chutima Durongdej (Tailandia). As asiáticas ficarem de fora foi outra injustiça.

u-marigona-drugsha-afp
Miss Kosovo, Marigona Drugsha (Foto: AFP)

Larissa Costa (Brasil) nem figurou entre as 15 semifinalistas, aliás, a coluna já tinha cantado isso. Muitas mulheres lindas também ficaram fora das 15 e Iveta Lutuvská (República Tcheca) não figurar entre as cinco foi decepcionante. Ela era linda e elegante. A Miss Universo de 2008, a nenezuelana Dayana Mendonza, está mais bonita agora.

Miss Universo 2009

A TV Bandeirantes, leia-se TV Club, vai transmitir hoje, a partir das 21h50, de Nassau, nas Bahamas, o concurso Miss Universo. Os apresentadores do concurso serão Billy Bush e Cláudia Jordan. Aqui a Band convidou para comentaristas as ex-misses Brasil Adalgisa Colombo e Dayse Nunes. A representante do Panamá, Diana Broce, foi eleita como o melhor traje típico.

miss-universo
As 84 candidatas ao título Miss Universo em pose oficial (Foto: Site)

Em tempo de Miss Universo ouvimos alguns os missólogos. Roberto Macedo e Daslan Melo Lima que apostam na loura Iveta Lutovska, Miss República Tcheca. Enquanto isso, Mucíolo Ferreira, também gosta da tcheca, mas torce pelas morenas Sofia Rudyeva, Miss Rússia, e Karla Carrillo, Miss México. Os três missólogos concordam num ponto: A potiguar Larissa Costa, Miss Brasil, tem chances de figurar no top 5. Eu não acredito que a Miss Brasil figure nem entre as 15, mas em se tratando de concursos de beleza tudo pode acontecer.

Miss Universo de 1959

Há 50 anos em Long Beach, na Califórnia, EUA, a japonesa Akiko Kojima era eleita Miss Universo 1959. No segundo lugar ficou Jorunn Kristjansen (Noruega), no terceiro Terri Lynn Huntingdon (EUA), no quarto Pamela Anne Searle (Inglaterra) e no quinto Vera Regina Ribeiro (Brasil)

u-59-cinco
As cinco finalistas (Fotos: Reprodução)

As semifinalistas foram Carmela Künzel (Alemanha), Hélène Savigny (Bélgica), Olga Pumajero Korkor (Colômbia), Oh Hyunjoo (Coréia do Sul), Françoise St-Laurent (França), Zoidsa “Zoe” Kouroukli (Grécia), Sigridur Thorvaldsdóttir (Islândia), Rina Isaacov (Israel), Zuzanna Cembrowska (Polónia) e Marie-Louise Ekström (Suécia).

u-akiko-kojima2
Miss Universo Akiko Kojima

Premiações especiais: Miss Simpatia – Sodsai Venitwatana (Tailândia), Miss Fotogenia – Pamela Anne Searle (Inglaterra), Garota Popular – Oh Hyunjoo (Coréia do Sul).

u-akiko-vera
Akiko Kojima e Vera Ribeiro

Participaram do concurso Alemanha – Carmela Künzel, Argentina – Liana Cortijo, Áustria – Christine Spatzier, Bélgica – Hélène Savigny, Birmânia – Than Than Aye, Bolívia – Corina Taborga, Brasil – Vera Regina Ribeiro, Canadá – Eileen Butter, Colômbia – Olga Pumajero Korkor, Coreia do Sul – Oh Hyunjoo, Costa Rica – Ziane Monturiel, Cuba – Irma Buesa Mas, Dinamarca – Lisa Stolberg, Equador – Carlota Elena Ayala, Estados Unidos – Terri Lynn Huntingdon, França – Françoise St-Laurent, Grécia – Zoidsa “Zoe” Kouroukli, Guatemala – Rogelia Cruz Martínez.

u-akiko-kojima
Miss Universo Akiko Kojima

Ainda as misses do Havaí – Patricia Visser, Holanda – Peggy Erwich, Inglaterra – Pamela Anne Searle, Islândia – Sigridur Thorvaldsdóttir, Israel – Rina Isaacov, Itália – Maria Grazia Buccella, Japão – Akiko Kojima, Luxemburgo – Josée Pundel, México – Mirna García Dávila, Noruega – Jorunn Kristjansen, Peru – Guadalupe Mariátegui Hawkis, Polónia – Zuzanna Cembrowska, Suécia – Marie-Louise Ekström, Tailândia – Sodsai Venitwatana, Turquia – Ezel Olcay, Uruguai – Claudia Bernat.