Fernando Machado

Blog

Tag varíola

Nos Bastidores da Política

O Ministério da Saúde lançou, ontem, a Campanha Nacional de Prevenção à Varíola dos Macacos. O objetivo é orientar a população brasileira sobre as principais formas de transmissão da doença, também conhecida como monkeypox, recomendações para evitar o contágio, sintomas e o que fazer em caso de suspeita. A campanha é parte fundamental da estratégia do Governo Federal para combater a doença. “No caso da varíola dos macacos, a maior prevenção é a informação correta, da forma de contágio dessa doença”, disse o ministro Marcelo Queiroga.

O ministro Marcelo Queiroga no lançamento da prevenção à varíola dos Macacos (Foto: Walterson Rosa)

Com o conceito Varíola dos Macacos. Fique bem com a informação certa, a campanha será veiculada em TV, rádio, mídia exterior em lugares de grande circulação de pessoas, em páginas e portais da internet e redes sociais, com as informações oficiais sobre a doença de forma didática, simples e direta. Para o enfrentamento da doença no país, o Ministério da Saúde monitora a situação epidemiológica desde o primeiro caso suspeito registrado no Reino Unido, em maio. Informações no gov.br/varioladosmacacos.

Nos Bastidores da Política

No total de 20,2 milhões de família beneficiárias do Auxílio Brasil em agosto, 82,5% dos lares tem como responsável uma mulher. Dados do Ministério da Cidadania apontam ainda a inclusão de 2,2 milhões de novas famílias de julho para agosto. O início dos pagamentos do mês será hoje, para quem tem Número de Identificação Social com final 1. O valor mínimo a ser pago é de R$ 600. No universo de 20,2 milhões de famílias, as mulheres são responsáveis por 16,6 milhões, enquanto os homens chefiam 3,5 milhões.

Para evitar casos da varíola dos macacos, também conhecida como monkeypox, e prevenir a transmissão da doença especialmente na gravidez, o Ministério da Saúde publicou, nesta segunda-feira (1º), orientações para profissionais da saúde, gestantes, lactantes e puérperas que apresentem sintomas ou casos positivos da doença. As recomendações estão em uma Nota Técnica, disponível aqui. Apesar da doença transmitida pelo vírus monkeypox ser considerada uma doença autolimitada, que geralmente apresenta cura espontânea, em alguns casos, pode haver a necessidade de tratamento medicamentoso específico, sobretudo em pessoas imunossuprimidas.