Fernando Machado

Blog

Tag tribos

Anotações do Cotidiano

O Recife e Campina Grande estão concorrendo, junto à Unesco, ao titulo de Cidade Criativa, na categoria Musica. O resultado deve ser anunciado em outubro.  O Cidade Criativa, criado em 2004, foi concedido até agora para dez cidades brasileiras: Belém (PA), Florianópolis (SC), Paraty (RJ) e Belo Horizonte (MG), no campo da gastronomia; Brasília (DF), Curitiba (PR) e Fortaleza (CE), em design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes populares; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema.

O Projeto Tribos, apoiado pela Brink’s, empresa líder mundial em logística segura e soluções de segurança, lançou sexta-feira, a exposição fotográfica Nas Trilhas da Cidadania – Campo Grande, no Shopping Bosque dos Ipês, em Campo Grande (MS). O evento traz o resultado do trabalho de capacitação com estudantes da região. A exposição vai até o dia 26 de julho. O projeto é desenvolvido pela ONG Parceiros Voluntários, que tem como objetivo desenvolver o protagonismo de jovens para gerar transformações sociais.

Noticias do Rio Grande do Norte

O Rio Grande do Norte apresentou domingo ao Brasil e ao mundo 30 santos por meio da Canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu. O estado tornou-se, desde aquela data, o único a ter 30 santos declarados pela Igreja Católica. Milhares de pessoas de vários países estiveram na Praça São Pedro, no Vaticano, na missa celebrada pelo Papa Francisco. O governador Robinson Faria, e a primeira-dama do Estado Julianne Faria, entre os que prestigiaram o grande momento.

A programação de fim de semana dos projetos culturais atendidos pela Lei Djalma Maranhão, da Prefeitura do Natal, é vasta e atende todos os gostos e idades. No sábado no Espaço Cultural Jesiel Figueiredo em Gramoré, às 19h, tem mais uma Batalha do Vinho. Trata-se de um duelo entre MCs e DJs que reúne diversas tribos de artes urbanas na Zona Norte de Natal. No domingo o Bosque Encena apresenta As Caçadoras de Histórias, espetáculo do grupo Clowns de Shakespeare.

Cartola, O Mundo é Um Moinho

Flávio Bauraqui interpreta muito Cartola (Foto: Vera Donato)

Resultou um grande sucesso a estreia do musical Cartola, O Mundo é um Moinho, quarta-feira, no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro. No elenco apenas deuses de ébano. Cartola é vivido por Flávio Bauraqui. Dona Zica por Virginia Rosa. O texto é de Arthur Xexeo, a direção de Roberto Lage e direção musical de Rildo da Hora. Além de oito baianas da Imperio Serrano, que fizeram uma lavagem simbólica do local, tivemos a cantora Alcione , mangueirense doente, cantando duas musicas do homenageado: O Sol Nascerá e As Rosas não Falam.

Isabelita dos Patins e Rosa Maria Murtinho foram reverenciar Cartola (Foto: Vera Donato)

A ideia do musical coube a Nilcemar Nogueira, atual secretária municipal de Cultura e neta de Cartola. Na platéia todas as tribos, quando citaríamos, entre outros, a secretária Municipal de Cultura Nilcemar Nogueira, Zuenir Ventura, Martinho da Vila, Rosa Maria Murtinho, Haroldo Costa, Cris Vianna, Eliana Pittman, Jane di Castro e Isabelita dos Patins. Terminado o espetáculo, todos foram para o salão nobre, do Carlos Gomes, para o coquetel com direito a uma animada roda de samba. O produtor Jô Santana anunciou está na sua agenda um musical sobre dona Ivone Lara e outro sobre Martinho da Vila.

 

Lady Francisco e Eliana Pittman estavam felizes do Carlos Gomes (Foto: Vera Donato)

Esquentando para o Carnaval

Olinda foi a primeira capital de Pernambuco. e foi fundada pelos portugueses em 1537, ocupada pelos holandeses de 1630 a 1654, e depois resgatada pelos portugueses. Olinda tem notáveis exemplos de arquitetura do século XVI, XVII, XVIII e XIX incluindo a Basílica e Mosteiro de São Bento, fundado pelos monges em 1582. Pois bem, é nessa linda cidade que o estilista e doublé de chef de cuisine Márcio Costa abriu uma casa de recepções.

g-marcio-costa

Márcio Costa (Foto: Fernando Machado)

g-joão-alberto-sheila-wanderley-carlos-augusto-lira2

João Alberto, Sheila Wanderley e Carlos Augusto Lira (Foto: Fernando Machado)

O casario é do século XIX, no estilo colonial, todavia recebeu um look de gente tirar o chapéu. Rodeado mangueira, bananeiras, avencas, pau d’agua e cajazeiras. Um sagui ficou de longe fazendo acrobacias num galho de cajazeira. Como ninguém deu muita atenção ele se mandou, mas ficou seu charme ficou. A decoração do centenário casario foi do próprio Marcio Costa, que é dividida em cinco espaços, sem contar o primeiro andar.

g-jacy-salsa-cesar-santos

Jacy Salva de óculos Prada e Cesar Santos by Alexandre Herchcovitch (Foto: Fernando Machado)

g-flavia-de-gusmão

Flávia de Gusmão (Foto: Fernando Machado)

Tudo é aconchegante e bonito que serviria de cenário para filmes de época. Onde tudo aconteceu foi no quarto set, lembrando um jardim de inverno. O teto foi coberto de balaios. O lustre foi coberto com várias sombrinhas multicoloridas de frevo. Os banheiros são muito estilosos. Também tinha uma radiola de ficha, mas com nome ingl^s Juke Box. Os convidados podiam, escolher sem pagar, suas músicas. Como tinha várias tribos, o setlist foi muito variado.

g-eda-rocha-leo-silva

Eda Rocha e Leo Silva (Foto: Fernando Machado)

g-marcio-costa-e-anderson-carlos

Márcio Costa à côté Andeson Carlos (Foto: Fernando Machado)

Não sei quem escolheu Ê Baiana composta por Fabricio da Silva, Ênio Santos Ribeiro e Miguel Pancracio, cantada por Clara Nunes, que soltou sua voz, que voz: “Ê baiana / Ê ê ê baiana, baianinha / Ê baiana / Ê ê ê baiana / Baiana boa / Gosta do samba / Gosta da roda / E diz que é bamba / Baiana boa / Gosta do samba / Gosta da roda / E diz que é bamba / Olha, toca a viola / Que ela quer sambar / Ela gosta de samba / Ela quer rebolar / Toca a viola / Que ela quer sambar / Ela gosta de samba / Ela quer rebolar”. Todavia o blog estende o tapete para esse virtuosi.

g-aurecilio-romão-cesar-santos-guiggo-cavalcanti

Aurecilio Romão, Cesar Romão e Guiggo Cavalcanti (Foto: Fernando Machado)

g-leonardo-evedove-salomão-barros-ana-telma-barros-caio-barrios-henrique-da-fonte

Leonardo Evedove, Salomão, Ana Telam e Caio Barros com Henrique da Fonte (Foto: Fernando Machado)

O encontro reuniu apenas os amigos de Márcio Costa para uma feijoada, que feijoada, remetendo para um esquente do Carnaval. A casa de recepção de Márcio Costa é realmente espetacular. E os detalhes da decoração são maravilhosos. Como tinha a turma da nouvelle vague colocaram na Juke Box, musicas que não tinham nada a haver com o babado do encontro. Não sei se disponibilizaram a musa do efêmero: Anita. Graças a Deus sai antes desse pecado musical.

g-thassio-basilio-diogo-carvalho-wbiratan-souto

Thassio Basilio, Diogo Carvalho e Wbiratan Santos (Foto: Fernando Machado)

g-tiberio-palmeira-maxwell-patricio-pedro-camboim

Tibério Palmeira, Maxwell Patricio e Pedro Camboim (Foto: Fernando Machado)

Lá para 16 horas surgiram na Rua Prudente de Moraes, no Carmo, as baianas com jarras contendo água perfumadas para lavar as ladeiras da cidade alta. E então me lembrei da Clara Nunes cantando Iansã, / Cadê Ogum? / Foi pro mar! / Mas Iansã, Cadê Ogum? / Foi pro mar! / Iansã penteia / Os seus cabelos macios / Quando a luz da lua cheia / Clareia as águas do rio / Ogum sonhava / Com a filha de Nanã / E pensava que as estrelas / Eram os olhos de Iansã / Mas Iansã, Cadê Ogum? / Foi pro mar!” Sai de lá com aquele gostinho de quero mais.

  • 1 2