Fernando Machado

Blog

Tag ranking

Planeta Fashion

O site mais famoso do mundo da moda, models.com, aponta entre os 50 melhores modelos mascuilinos do mundo três brasileiros. No 50º lugar ficou Luiz Afonso Schwab, no 40º lugar Max Motta e o melhor classificado é Marlon Teixeira que ocupa a 22ª posição.

f-marlon-teixeira-karl-lagerfeld
Marlon Teixeira numa campanha da Dior (Foto: Karl Lagerfeld)

No ranking feminino a brasileira Raquel Zimmermann é considerada, pelo mesmo site, como a melhor modelo do mundo. Outra brasileira, Caroline Trentini, figura no 10º lugar. Quem né!

f-raquel-zimmermann
A mais do mundo Raquel Zimmermann (Foto: Divulgação)

Apesar de não estar na lista da models.com, o deus do ébano francês, David Agbodgi, com apenas 22 anos, é a nova sensação nas passarelas internacionais. Num mundo onde os negros não tem vez, é uma boa noticia.

f-david-agbodji
O francês David Agbodji é a sensação (Foto: Divulgação)

O Ranking da Saúde no Brasil

O Rio Grande do Norte é o único estado do Nordeste a investir em saúde mais do que determina a Constituição Federal. O Estado investe nesta área 18,65%, segundo dados do próprio Ministério da Saúde, enquanto Bahia e Sergipe investem apenas o que determina a lei: 12,07% e 12,02%, respectivamente. Os dados foram divulgados segunda-feira pelo jornal Folha de S. Paulo.

No patamar dos que investem mais de 12% estão, por ordem de classificação, estão: Amazonas (23,8%), Distrito Federal (19,64%), Rio Grande do Norte (18,65%), Amapá (15,87%), Tocantins (15,12%), Roraima (14,46%), Acre (13,27%), Pará (12,57%), São Paulo (12,08%), Bahia (12,07%) e Sergipe (12,02%).

Os que investem abaixo dos 12% preconizados na Constituição estão: Rondônia, Santa Catarina, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Alagoas, Pernambuco, Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Goiás, Ceará, Piauí, Paraíba, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O que estes 16 estados deixaram de aplicar na área de saúde em 2007 representa um volume de R$ 3,6 bilhões, recursos suficientes para construir 70 hospitais de médio porte. Em pior situação está o Rio Grande do Sul, que investe apenas 3,75%.