Fernando Machado

Blog

Tag participantes

Kan é a Miss Tailândia de 2023

A Rainha e as princesas (Foto: Tai Shapes)

Aconteceu domingo, no Chaeng Watthana Hall, Central Chaeng Watthana, na cidade de Nonthaburi, a Miss Tailandia de 2023. Participaram do concurso 46 participantes. A vencedora foi Chonnikarn Supittayaporn que foi coroada por Manita Farmer Miss Tailândia de 2022. Chonnikarn representará a Tailândia no Miss Mundo 2023, que será realizado nos Emirados Árabes Unidos. A Miss Hospitalidade foi Suratwadee Chakkit.

Manita Farmer e Kan Chonnikarn Supittayaporn (Foto: Concurso)

No 2º lugar ficou Marisa Phonthirat, no 3º lugar ficou Arabela Sitanan Gregory, no 4º lugar ficou Kanokporn Phayungwong e no 5º lugar Supansa Wattananusit. No Top 11 ficaram Marisa Phonthirat, Chonnikarn Supittayaporn, Arabella Sitanan Gregory, Kanokporn Payungwong, Supansa Wattananusit, Nadaphan Gambern, Athitiya Benjapak, Suratwadee Chakkit, Surarak Kiatsungnoen, Surarak Kiatsungnoen, e Kanyawee Nukaew.

A nova Miss Tailandia, Kan Chonnikarn Supittayaporn (Foto: Concurso)

Hoje tem Mister Grande Internacional

Misteres Filipinas, Suriname e Espanha (Foto: Missosology)

Hoje, no Porto de Espanha, em Trinidad e Tobago, vai acontecer a escolha do Mister Grande Internacional de 2022. O evento será na Southern Academy for the Performing Arts. O vitorioso receberá a faixa de Fernando Ezequiel Padin, Mister Internacional de 2021 e que representou Porto Rico. Vão participar do concurso 21 candidatos.

Misteres França, Portugal e Taiti (Foto: Missosology)

Os participantes são You Thoanvannak (Cambodia), Ehlvest Gomez (Guatemala), Enid Franca (Belgica), Lorenzo Bottero (França), José Ariel Roberts (Guiana), Freddy Cordero (Republica Dominicana), Pepijn Van Lieshout (Holanda), Damiendo August Plein (Suriname), Teaniva Dinard (Taiti), Ja Vaughn Miller (Jamaica).

Misteres República Dominicana, Colômbia e Guatemala (Foto: Missosology)

E ainda Michael Pelletier (Suíça), Denys Poljanskyj (Republica Tcheca), Aaron Tan (Singapura), Erick Rodriguez (Honduras), Christian Fernandez (Portugal), Aquil Ramsahai (Trinidade & Tobago), Thayron Lübach (Canadá), Nathan Soria (Estados Unidos), Vu Linh (Vietnã), Kristzan Delos Santos (Filipinas) e Andres Fernando Ortas (Colômbia).

Misteres Republica Tcheca, Holanda e Bélgica (Foto: Missosology)

Mister Supranacional da Venezuela

Na próxima quinta-feira, nos Estúdios da Globovisón, em Caracas, será eleito o Mister Supranacional Venezuela de 2022. Vão participar 12 candidatos. O mais velho é Omar Alfonso Ely Riera Sambrano com 33 anos e o mais novo é Alexandre José Barrara Zambrano de 21 anos. O mais alto é Ângulo de Christian Arnaldo Nunes com 1m93 de altura e o mais baixo é Jolber Enrique Figueredo Sequera com 1m76 de altura.

Entre estes 12 está o Mister Supranacional da Venezuela (Foto: Concurso)

Os participantes são Geralbert Samuel Rebolledo Urrutia, Alexandre José Barrara Zambrano, Jolber Enrique Figueredo Sequera, Ramon Esteban “Steven” Aponte Suárez, Darwins José “Dajo” Martinez Figuera, Ângulo de Christian Arnaldo Nunes, Jorge Luis Urbina Natera, Anthony Misael Gallardo Villegas, Omar Alfonso Ely Riera Sambrano, Felix Eduardo Bolivar Osório, Jorge Eduardo Nuñez Martinez, e Miguel Angel Montevidéu Zapata.

Ana Claudia participa de Seminário em Salamanca

A Juíza de Direito Ana Claudia Brandão participou do seminário Brasil y la crisis de la COVID 19: un desafío para los derechos humanos promovido pelo centro de estudios brasileños de la universidad de Salamanca, sexta-feira, na Espanha. O evento foi semipresencial e contou com participantes de várias partes do mundo. A juíza abordou o tema “liberdade e saúde pública”. Segundo a mesma, muitos países impuseram severas restrições para a liberdade das pessoas com o objetivo de frear o avanço da la COVID-19. Foram adotadas medidas rígidas como fechamento das fronteiras, toque de recolher, proibição de aglomerações, fechamento de comércio, escolas etc tudo com a justificativa de proteger a saúde coletiva.

Lucas Mesquita, Ana Claudia Brandão e Racquel Martins (Foto: Instagram)

A questão que se coloca é como garantir a saúde coletiva sem violar direitos fundamentais? Como chegar ao equilíbrio? O que seria de competência do Poder Judiciário e do Poder Executivo? A juíza explicou que essa atuação se encontrou durante toda a pandemia em uma zona cinzenta, na qual muitas medidas foram adotadas pelo poder judiciário como na Espanha, quando uma decisão judicial proibiu as pessoas de fumarem nas ruas, ou no Brasil, onde o judiciário decretou de lockdown em algumas cidades. Concluiu dizendo que todos os Poderes envolvidos devem agir com cautela e equilíbrio quando se fala em restrição a direitos fundamentais, em especial à liberdade, posto que essas restrições devem ser sempre excepcionais e comprovadamente necessárias em um Estado Democrático de Direito.