Fernando Machado

Blog

Tag olimpicos

Nos Bastidores da Política

Hoje, 7 de setembro, Dia da Independência do Brasil, acontece em Nova York, às 12h, uma carreata em prol do Presidente Bolsonaro e da nossa Independencia. Ao que tudo indica será uma manifestação gigante. Também, hoje, os brasileiros em Londres, na Gra-Bretanha, fará uma ação em prol do Presidente Bolsonaro e da Independência do Brasil. A concentração será em frente da nossa Embaixada. Portugal promove uma grande carreata, hoje, às 19h, saindo da Praça do Comercio, em Lisboa.

Os esportistas que integram o Programa Atletas de Alto Rendimento, do Ministério da Defesa (Foto: Alan Santos/PR)

O Presidente Jair Bolsonaro, participou da homenagem, em cerimônia realizada no Rio de Janeiro. Os atletas militares conquistaram oito das 21 medalhas nos Jogos Olímpicos de Tóquio e contribuíram para o Brasil alcançar a 12ª posição no quadro geral. Quarta-feira, atletas militares campeões olímpicos receberam do Ministério da Defesa a Medalha Mérito Desportivo Militar. Os atletas militares integram o Programa Atletas de Alto Rendimento, do Ministério da Defesa.

Nos Bastidores da Política

O Hospital Regional do Câncer de Presidente Prudente (SP) agora está credenciado como Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia pelo Ministério da Saúde. O hospital oferece serviços como de hematologia, oncologia pediátrica e radioterapia custeados diretamente pelo SUS. O investimento do Ministério da Saúde é de R$ 7,8 milhões por ano. O Presidente da República, Jair Bolsonaro, e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, visitaram sábado a unidade que mudou o nome para Hospital de Esperança e atende pacientes de municípios de São Paulo e até de outros estados. O Hospital de Esperança reforça o atendimento via SUS com 122 leitos custeados pelo Ministério da Saúde, dos quais 22 são de UTI, 50 são leitos cirúrgicos e 50 leitos clínicos.

O campeão olímpico Bruno Fratus (Foto: CBDA)

Dez das 11 medalhas conquistadas até agora por brasileiros nos Jogos Olímpicos de Tóquio têm em comum a digital do Bolsa Atleta. O programa de patrocínio direto do Governo Federal repassou R$ 5,11 milhões para nove dos dez medalhistas nacionais desde 2005. Levando em conta apenas o ciclo entre os Jogos Rio 2016 e Tóquio 2021, são R$ 3,53 milhões investidos diretamente via Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. A única exceção é Rayssa Leal, de 13 anos, prata no skate street. Ela ainda não integra o programa porque a legislação determina que a idade mínima para fazer parte do Bolsa Atleta é 14 anos. Prevê repasses mensais que variam de R$ 5 mil a R$ 15 mil, de acordo com os resultados. Estão nessa categoria os campeões olímpicos Ítalo Ferreira, do surfe, e Rebeca Andrade, da ginástica artística, assim como a bicampeã mundial Mayra Aguiar, e Bruno Fratus, terceiro colocado nos 50m livre.

De Volta para o Passado

Há 85 anos, nascia na Argélia, o estilista Yves Saint Laurent, que morreu no dia 1 de junho de 2003.

Jesse Owens homenageado com poster da Olimpíadas de Berlim (Foto: Divulgação)

Há 85 anos, Hitler abria oficialmente os Jogos Olímpicos de Berlim, com os quais os nazistas pretendiam apresentar uma imagem positiva do regime. Mas o destaque foi um atleta negro: Jesse Owens.

Há 45 anos, o Santa Cruz ao vencer o Náutico, no Arruda, por 2×0, diante de um publico de 62.711 torcedores, era bi supercampeão pernambucano de futebol de 1976. Os gols foram de Nunes e Jadir. O Santinha jogou com Gilberto, Carlos Alberto Barbosa, Alfredo Santos, Levi e Pedrinho; Givanildo (Ricardo e Lula), Edson Jadir; Betinho (expulso), Nunes e Pio. O técnico: Ênio Andrade.

Há 46 anos, se casavam arquiteta Maria do Loreto e Sergio Wanderley.

Jogos Olímpicos de Tóquio 20221

O Estádio Olímpico de Tóquio. Ao redor do planeta, milhões de pessoas acompanham, pela televisão, um momento que outros milhões duvidaram que viesse a se tornar realidade. Com um grande vazio no espaço que deveria estar preenchido por quase 70 mil fãs do esporte, imagens no telão, ao som de uma música potente, relembram a caminhada de Tóquio desde 2013, quando foi escolhida cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Os portas bandeira Bruno Rezende e Ketleyn Quadros (Foto: Júlio César Guimaraes/COB)

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, sem público, buscou uma mensagem de esperança para o mundo e uma homenagem aos que perderam a batalha contra o novo coronavírus. O evento foi marcado por momentos que evocaram a tradição milenar do Japão e sua cultura, por uma homenagem ao economista e ativista social ganhador do prêmio Nobel da Paz, professor Muhammad Yunus, de Bangladesh, por seu trabalho em prol do desenvolvimento do esporte, e por um desfile das delegações com menos atletas que o habitual.

Malia Paseka e Pita Taufatofua que já tinha roubado a cena nas Olimpíadas do Rio repetiu a dose em Tóquio (Foto: Instagram)

O Brasil entrou com 302 atletas, é a maior da história do país em edições de Jogos Olímpicos realizadas no exterior, mas apenas quatro representantes participaram do desfile. Bruno Rezende, campeão olímpico com o vôlei em 2016, e Ketleyn Quadros, primeira mulher medalhista individual do Brasil, em Pequim 2008, no judô, levaram a bandeira. Na tribuna especial reservada às autoridades, o ministro da Cidadania, João Roma, representou o governo federal e destacou a importância simbólica do evento. A sensação da festa foi o porta bandeira do Tongo, Pita Taufatofua, 36 anos, com um corpo besuntado, de tirar muita o fôlego de muita gente.

  • 1 2 5