Fernando Machado

Blog

Tag natação

Nos bastidores da Política

A natação paralímpica brasileira consolidou na Ilha da Madeira, em Portugal, um rito de passagem. Oficialmente, a modalidade saltou de uma era em que super atletas concentravam muitas medalhas para uma fase em que o país conta com um time forte e consistente, capaz de subir ao pódio em diversas classes, seja no masculino ou no feminino. No Mundial encerrado sábado, o primeiro sem a presença do multimedalhista Daniel Dias no elenco, o Brasil conquistou o melhor resultado de sua história. Foram 53 medalhas e a terceira colocação geral.  Ao todo, foram 19 ouros, 10 pratas e 24 bronzes.

Levando em conta provas individuais e revezamentos, 26 dos 29 atletas subiram ao pódio (89% dos atletas). O evento reuniu cerca de 500 atletas de 59 países. À frente do Brasil no quadro oficial de medalhas, apenas a Itália, com 27 ouros, 24 pratas e 13 bronzes (64 no total), além de Estados Unidos, com 24 ouros, nove pratas e sete bronzes (40). Na contabilidade por total de medalhas, o Brasil ficou em segundo. Antes, o melhor resultado do país em número de ouros tinha sido em 2017, no México, quando o Brasil obteve 18. No quantitativo, a melhor competição registrada era em Montreal, no Canadá, em 2013, com 26 pódios.

Pausa Poética

“Começando a semana com muita natação para refrescar nesse calor!” o nadador Hermes Martins

Pausa Poética

“Para mim, perder não significa ficar em segundo lugar. Está saindo da água sabendo que você poderia ter feito melhor. Para mim, todas as competições em que participei eu venci”. O campeão olímpico Ian Thorpe 

Gabriel Bandeira é ouro nas Olimpíadas de Tóquio

O primeiro dia da natação nos Jogos Paralímpicos de Tóquio terminou com quatro brasileiros subindo ao pódio e com direito a bandeira hasteada e Hino Nacional tocado no Centro Aquático de Tóquio. O primeiro pódio do país no Japão veio com o mineiro Gabriel Geraldo, de 19 anos. Atleta da classe S2, ele disputou a prova dos 100m costas no Centro Aquático de Tóquio e faturou a prata. O ouro ficou com Alberto Abarza, do Chile, enquanto Vladimir Danilenko, do Comitê Paralímpico Russo, ganhou o bronze.

O nadador Gabriel Bandeira foi ouro (Foto: Helano Stuckert)

O paulista Gabriel Bandeira se tornou o primeiro campeão do Brasil nas Paraolimpíadas no Japão ao vencer a prova dos 100m borboleta da classe S4, para atletas com deficiência intelectual, ao levar a medalha de ouro. Reece Dunn, da Grã-Bretanha, ficou com a prata, e o australiano Benjamin Hance com o bronze. O maior atleta paraolímpico do Brasil, o nadador Daniel Dias conquistou a medalha de bronze nos 200 metros livre na classe S5. O ouro foi para o italiano Francesco Bocciardo e a prata para o espanhol Antoni Ponce Bertran. O pernambucano Phelipe Rodrigues também conquistou a medalha de bronze nos 50m livre da S10.