Fernando Machado

Blog

Tag maratonas

Viva o Bolsa Atleta

Martine Grael e Kahena Kunze (Foto: Reuters)

O Brasil conquistou 21 medalhas durante os Jogos Olímpicos de Tóquio. Na melhor campanha do País na história do evento, foram 13 modalidades diferentes, com sete ouros, seis pratas e oito bronzes, um resultado que significou a 12ª colocação no quadro de medalhas. Em 19 desses pódios, receberam medalhas competidores brasileiros bolsistas integrantes do programa Bolsa Atleta. Ao todo, são seis ouros, cinco pratas e oito bronzes com a presença de atletas contemplados pelo programa do Governo Federal, executado pela Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania.

Herbert da Conceição (Foto: COB)

Outro destaque foi à intensa presença feminina, com três desses seis ouros, conquistados por quatro medalhistas: Ana Marcela Cunha (maratonas aquáticas), Martine Grael e Kahena Kunze (vela) e Rebeca Andrade (ginástica artística). A campanha seria suficiente para transformar a Nação Bolsa Atleta na 15ª no quadro de medalhas, à frente de todos os países da América do Sul (com exceção do Brasil) e de países como Coreia do Sul, Noruega, Suécia, Bélgica e Jamaica (país com grande tradição nas provas de velocidade do atletismo).

Rebeca Andrade (Foto: EFE)

A delegação brasileira como um todo em Tóquio contou com 302 titulares, inscritos em 35 modalidades. Desses 302, 242 são atualmente integrantes do Bolsa Atleta, ou 80% da delegação. Se o futebol masculino, que não integra o programa, for retirado da conta, o percentual sobe para 86%. Em 19 das 35 modalidades com representantes nacionais em Tóquio, 100% dos atletas pertencem ao Bolsa Atleta. Além da seleção de futebol masculino, a outra exceção foi à prata de Rayssa Leal, no skate street. A jovem de 13 anos ainda não tem idade suficiente para integrar o programa, que é de 14 anos.

Ana Marcela Cunha (Foto: Divulgação)

Maratona da Salvação

Correr sete maratonas em sete continentes durante sete dias consecutivos, do frio da Antártida (-30ºC) ao calor de Dubai (40ºC). Essa foi apenas uma das aventuras encaradas pelo maratonista extremo de Curitiba Marcelo Alves. O atleta se especializou em desafiar limites e superar obstáculos intransponíveis para grande parcela da humanidade, como a vez que participou de uma maratona no temido Everest, com a largada a 6 mil metros de altitude, e teve que passar dez dias na região para um período de adaptação que resultou na perda de 10kg antes da largada.

O maratonista Marcelo Alves (Foto: Divulgação)

Mas para Marcelo Alves, suas provas não chegam nem perto da luta pela vida travada por pessoas em tratamento de leucemia e outras doenças sanguíneas. Então, o maratonista passou a viajar o mundo destacando importância da causa da medula óssea. Agora, Marcelo Alves parte para mais um capítulo incrível dessa história, lançando o movimento The Hardest Run, idealizado em parceria com o Hospital Nossa Senhora das Graças, referência nacional quando o assunto é transplante de medula óssea. A ideia do movimento é reunir corredores profissionais e amadores em uma equipe internacional de doadores.