Fernando Machado

Blog

Tag júri

Zoya, Divija, Tanya, Asmita e Anisha as vitoriosas

Sábado, em Kingdom of Dreams, em Gurugram, tivemos o concurso Glamanand Supermodel India, uma preliminar nacional para os maiores concursos internacionais do mundo. A atriz Zoya Afroz, de 26 anos, de Mumbai, foi escolhida Miss Índia Internacional 2021 e representará seu país no Miss Internacional 2021, que vai acontecer, no Japão, em novembro. Divija Gambhir de 21 anos ficou como Miss Multinacional Índia de 2021, Tanya Sinha de 23 anos ficou como Miss Globo Índia 2021. Asmita Chakraborty ficou no 2º lugar e Anisha Sharma em 3º lugar.

Anisha Sharma, Tanya Sinha, Zoya Afroz, Divija Gambhir e Asmita Chakraborty (Foto: Divulgação)

No júri estavam Kartikya Arora, Yash Raj Tongia, Amit Karkhanis (Miss India International 2019), Simrithi Bathija, Tanvi Malhara (Miss India Multinational 2019), Rekha Vohra e Varun Katyal. Participaram da competição, 24 candidatas: Zoya Afroz, Archana Ravi, Aishwarya Dikshit, Naina Vijay Sharma, Tanya Sinha, Sejal Renake, Himani Gaikwad, Megha Shetty, Megha Julka, Deeksha Narang, Shivani Tak, Saachi Gurav, Asmita Chakraborty, Tanu Shree, Shweta Shinde, Hannah Tamalapakula, Susang Sherpa, Disha Shamwani, Isha Vaidya, Annu Bhati, Arushi Singh, Divija Gambhir, Shalini Rana, e Anisha Sharmathe.

Cristina Ridzi vence o Miss Brasil de 1966

Há 55 anos, era realizada, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, o concurso Miss Brasil de 1966. A vencedora foi Ana Cristina Ridizi (1947/2015), do Estado da Guanabara, que foi coroada por Maria Raquel de Andrade, Miss Brasil de 1965. Os apresentadores foram Paulo Max e Marly Bueno e no júri ficou a primeira dama do Estado Ema Negrão de Lima, Miss Brasil de 1958 Adalgisa Colombo, o ministro João Paulo do Rio Branco, o escultor Leão Veloso e o diretor de redação de O Cruzeiro, João Martins.

As candidatas desfilam na passarela do Maracanãzinho (Foto: Manchete)

No palco as misses estaduais de longos (Foto: O Cruzeiro)

No Top 8 Francy Carneiro Nogueira (Ceará), Ana Cristina Ridzi (Guanabara), Marluce Manvailler (Mato Groso), Virginia Barbosa (Minas Gerais), Clara Cunha (Rio Grande do Sul), Ana Maria Façanha Gaspar (Rondônia), Glaucia Zimermann (Santa Catarina) e Tania Maria Zattar (São Paulo). O resultado final ficou assim: no 4º lugar Virginia Barbosa de Souza, em 3º lugar Francy Carneiro Nogueira, em 2º lugar Marluce Manvailler Rocha e a grande vencedora Ana Cristina Ridzi.

Ana Cristina sendo coroada pela Miss U-65, Aspa Hongsakula e Miss B-65 Maria Raquel coroando Ana Cristina (Foto: Manchete e O Cruzeiro)

Maria Raquel coroando Ana Cristina Ridzi (Foto: O Cruzeiro)

Ana Cristina Ridzi disputou, em Miami, nos Estados Unidos, o Miss Universo de 1966. A terceira colocada Francy Carneiro Nogueira do Ceará renunciou para casar e em seu lugar assumiu a quarta colocada, Virginia Barbosa de Souza de Minas Gerais, que também escolhida como Miss Simpatia. Infelizmente não aconteceu o Miss Beleza Internacional em 1966. A Miss Fotogenia foi Marluce Manvailler da Rocha do Mato Grosso.

As oito finalistas Pará, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Guanabara, Santa Catarina, Rondonia e São Paulo (Foto:  O Cruzeiro)

Francy Carneiro Nogueira observa Maria Raquel de Andrade abraçando Ana Cristina Ridzi e a Miss Universo de 1965, Apasra Hongsakula (Foto: Manchete)

Participaram do concurso 26 candidatas: Maria Fernandes (Acre), Kátia da Silva Malta (Alagoas), Rita de Cássia Fernandes (Amapá), Hermengarda Chaves (Amazonas), Florianel Costa Portela (Bahia), Francy Carneiro Nogueira  (Ceará), Maria Helena Curi (Distrito Federal), Laura Martinelli (Espírito Santo), Niolina Pacheco (Goiás), Ana Cristina Ridzi (Guanabara), Sandra Mara de Arruda  (Maranhão), Marluce Manvailler Rocha (Mato Grosso), Virgínia Barbosa de Souza (Minas Gerais).

Miss Pernambuco, Raiolanda Castelo Branco e Ana Cristina Ridzi desfilando seus trajes típicos (Fotos: Acervo do blog e O Cruzeiro)

Algumas candidatas no Farol da Barra, em Salvador, uma semana antes do concurso (Foto: Manchete)

E finalmente Maria Tereza de Vasconcelos (Pará), Zélia Maria Neves de Medeiros (Paraíba), Miriam Marçal (Paraná), Raiolanda Castello Branco (Pernambuco), Darcy do Carmo Assunção (Piauí), Vera Lúcia Cordeiro (Rio de Janeiro), Maria Edite de Azevedo (Rio Grande do Norte), Clara Eunice Grohmann (Rio Grande do Sul), Ana Maria Façanha Gaspar (Rondônia), Wilma Grecco Chapuis (Roraima), Gláucia Zimmermann (Santa Catarina), Tânia Maria Zattar (São Paulo) e Lygia Sampaio Fiscina (Sergipe).

Stäel Abelha vence o Miss Brasil de 1961

Vera Brauner de Menezes, Staël da Rocha Abelha e Alda Coutinho de Moraes (Foto: O Cruzeiro)

As oito finalistas diante da comissão julgadora (Foto: O Cruzeiro)

Há 60 anos, o Maracanãzinho, com um público de 25 mil pessoas aplaudiram a vitória da mineira Staël da Rocha Abelha vencer o Miss Brasil de 1961, sendo coroada pela Miss Brasil de 1960 Gina MacPhersonStaël tinha 19 anos, 1m70 de altura; busto e quadris 98 centímetros. Não queria viajar até Miami, por ciúme do namorado, tanto que renunciou logo que voltou ao Brasil. Os apresentadores foram Paulo Porto e Lourdes Mayer.

Misses Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Estado do Rio e Goiás (Foto: O Cruzeiro)

No 2º lugar ficou Vera Brauner de Menezes (1941/2012), do Rio Grande do Sul, que representou o Brasil no Miss Internacional em Long Beach (que dois meses depois virou Miss Brasil) e no 3º lugar ficou Alda Coutinho de Moraes (1938/2005), da Guanabara, que representou o Brasil no Miss Mundo, em Londres. No júri estavam Tereza de Souza Campos, Edite Pinheiro Guimarães, Edda Lutis, Gisela Machado, Di Cavalcanti, Zacarias do Rego Monteiro, José Amadio, Oscar Santamaria, Vitor Bouças, Juan Fischer, Fernando de Alencar Pinto, Herbert Moses e Harry Stone.

Misses Brasília, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso (Foto: O Cruzeiro)

Os apresentadores depois dos desfiles maiô e de noite, apresentaram o Top 8: Elza Maria Laureano dos Santos (CE), Stella Maria Rocha Lima (BA), Alda Maria Coutinho de Moraes (GB), Stael Maria da Rocha Abelha (MG), Filomena Maria Jorge Chaves (PA), Maria Lúcia Santa Cruz (PE), Carmen Aurélia Rodrigues de Lima (RN) e Vera Brauner Menezes (RS). Em 8º lugar ficou RN, no 7º PE, no 6º PA, no 5º BA e no 4º CE. As misses mais aplaudidas foram MG, GB, RN, PA, PE, RS e BA. Maria Augusta confessou as que melhores na passarela foram Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte Pará.

Misses Ceará, Bahia, Pará e Pernambuco (Foto: O Cruzeiro)

Participaram do Miss Brasil de 1961 22 candidatas Carmen Tereza Moutinho Mascarenhas Leite (AL), Neyla Loureiro Nery (AM), Stella Maria Rocha (BA), Elza Maria Laureano (CE), Marília Carvalho Brício (DF), Alcione Vieira Abreu (ES), Mires de Abreu Cruz (GO), Alda Maria Coutinho de Morais (GB), Sônia Maria de Souza Duailibe (MA), Eliney de Figueiredo (MT).

Misses Rio Grande do Norte, Amazonas, Maranhão, Piaui e Paraíba (Foto: O Cruzeiro)

Ainda Staël Maria da Rocha (MG), Filomena Maria Jorge (PA), Inês Gomes Pessoa (PB), Maria José Nascimento (PR), Maria Lúcia Santa Cruz (PE), Daisy Maria Couto Boavista (PI), Maria Madalena Aguiar (RJ), Carmen Aurélia Rodrigues (RN), Vera Maria Brauner Menezes (RS), Neusa Carmen Formighieri (SC), Ana Maria Filatro (SP) e Elenita Teixeira Lobo (SE).

Alagoas, Sergipe, Espírito Santo, Estado do Rio e Goiás (Foto: O Cruzeiro)

Brasilia, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso (Foto: O Cruzeiro)

Informações importantes: A Miss Simpatia foi Marilia de Carvalho Bricio (DF). Elenita Teixeira Lobo de Sergipe concorreu ao Miss Guanabara em a 1960. Sônia Duailibe (MA) virou empresária e jornalista de turismo. Neila Loureiro Nery (AM), é irmã de Rita Loureiro Nery que concorreu ao Miss GB em 1961. Carmen Rodrigues (RN) disputou o Miss Pernambuco de 1961, ficando em segundo lugar. O vestido mais caro, foi o da Miss Maranhão, Sonia Maria Duailibe.

Ceará, Bahia, Pará e Pernambuco (Foto: O Cruzeiro)

Rio Grande do Norte, Amazonas, Maranhão, Piauí e Paraíba (Foto: O Cruzeiro)

Fatos Diversos

O arquiteto Fernando Brandão foi escolhido como presidente do juri do IAI Design Award, organizado pela Asia Pacific Designers Federation um dos prêmios de design mais influentes e prestigiados na região, reconhecido como novo importante prêmio global de design, com alto reconhecimento. A premiação ocorrerá dia 18 de junho, na cidade de Xiamen, no sudeste da China. Fernando foi que projetou o projeto do pavilhão do Brasil na Expo Shanghai 2010.

O arquiteto paulistano Fernando Brandão (Foto: Divulgação)

Algumas coisas são unanimidade na indústria automobilística mundial: o design italiano, a mecânica alemã, a eficiência japonesa, o conforto americano, a inovação coreana e a energia referência tecnológica no setor é brasileira. Esse é conceito da nova campanha que a Ampla, agência com sede no Recife e escritórios em Vitória (ES), Aracaju (SE) e Maceió (AL), criou para Baterias Moura. Informa o copresidente da Ampla, Manuel Cavalcanti.