Fernando Machado

Blog

Tag confrade

Vi o que restou das ruas Nova e Imperatriz

O confrade João Alberto afirma que a dupla confete e serpentina que muito embeleza o Carnaval desapareceu. A Prefeitura do Recife, começou na gestão do depredador e continua na de Geraldo Júlio de Mello Filho, mas acredito que ele depois de arrumar a casa vai valorizar as Ruas Nova e Imperatriz. Eu faço fé. Eram nelas que o carnaval recifense ganhava glamour, charme e beleza.

e-eraldo-ferraz-gil-lopes

Os alagoanos na Rua da Imperatriz: Eraldo Ferraz e Gil Lopes (Foto: Fernando Machado)

Imagine que as Ruas Nova e Imperatriz, ontem, parecia que não era carnaval. Nesta última, graças aos Blocos da Saudade, Eu Acho é Pouco e Um Bloco em Poesia, podíamos relembrar o passado. Joaquim Nabuco que nasceu na Imperatriz deve está muito triste e quem sabe nem poderia dizer:”A consciência é o último ramo da alma que floresce; só dá frutos tardios”. Nelas nada de decoração, ou seja tinha sim, aquele emaranhado de fios nos postes que pode levar os foliões à morte (eletrocutado).

e-fios

Eis a decoração da Rua da Imperatriz (Foto: Fernando Machado)

Na Praça Maciel Pinheiro onde morou Clarice Lispector (1920/1977) nem vestígio de carnaval. Acho que lá no céu a notável Clarice recitou “Um amigo me chamou pra cuidar da dor dele, guardei a minha no bolso. E fui” e depois ficou cantando: “Adeus, adeus querido carnaval / Vamos partir/ Levando mil recordações / Porque nosso bloco sem rival / Tem simpatia / Prende todos os corações”, de Augusto Bandeira.

e-ana-maria-da-silva

Ana Maria da Silva desolada com o que restou da Rua Nova (Foto: Fernando Machado)

Quando cheguei a Rua Nova dona Ana Maria Silva, do alto dos seus 74 anos, lembrava Rodin. E perguntei para ela que se passava e respondeu por aqui tudo de bom desfilava. Dona Elza estava incorporando Antônio Maria, via seu Frevo N° 2 do Recife. E ela tinha toda razão, daquela rua somente lembranças. Na Rua Nova tínhamos a Etam, a Sloper, o Helvética e outros points famosos.

e-imperatriz

A Rua da Imperatriz numa segunda-feira de Carnaval (Foto: Fernando Machado)

Leia o frevo: “Ai que saudade tenho do meu Recife / Da minha gente que ficou por lá / Quando eu pensava, chorava, falava / Contava vantagem, marcava viagem / Mas não resolvia se ia / Vou-me embora / Vou-me embora / Vou-me embora / Pra lá / Mas tem que ser depressa / Tem que ser pra já / Eu quero sem demora / O que ficou por lá / Vou ver a Rua Nova, / Imperatriz, Imperador / Vou ver, se possível / Meu amor”.

Flashes

Tinane Almeida adorou o blog de ontem, principalmente pela matéria sobre o primeiro Baile Municipal. “Era charme total, sem falar nas belas fantasias”, confessa.

O profundo pesar da coluna pela morte, domingo, no Rio de Janeiro, do coiffeur que tanto sucesso fez na sociedade pernambucana, Alberto Zampolioni. Em janeiro tinha feito 90 anos de idade.

alberto-zampalione-lea-pabst

Alberto Zampolioni penteando a diva Léa Pabst (Foto: Arquivo)

Katia McCarthy, que reside nos Estados Unidos, nos parabeniza pela cobertura dos 100 anos do Santinha. “Foi um trabalho de pesquisa e amor que resultou em uma coletânea e de fatos e fotos”, afirmou.

Agradeço ao confrade João Alberto por ter sido indicado para o júri do Bal Masqué 2014. Em cerca de 40 anos de jornalismo é a primeira fez que participo da comissão julgadora desta prévia do Clube Internacional.