Fernando Machado

Blog

Tag casting

Mister Global Espanha de 2020

Chema Malavia, Mister Global Espanha de 2016 (Foto: Concurso)

No dia 2 de maio, às 20h, no auditório Juan Carlos I, em Arafo, teremos a escolha do Mister Global Espanha de 2020. O primeiro Mister Global Espanha, foi Chema Malavia, o segundo Daniel Sampedro, o terceiro Fabian Perez e o do ano passado foi José Luiz Rodriguez Navarro.

Daniel Smapedro, Mister Global Espanha de 2017 (Foto: Concurso)

Fabian Perez Rodriguez, Mister Global Espanha de 2018 (Foto: Concurso)

Deverão participar este ano cerca de 40 rapazes. Pelas fotos o casting não é lá essas coisas. Para a escolha do Mister Global Espanha, os candidatos desfilam de sunga e depois em traje de noite, quando será divulgado o Top 15. Até fecharmos o blog estavam inscritos 21 candidatos.

Jose Luis Rodriguez Navarro, Mister Global Espanha de 2019 (Foto: Concurso)

Água de Coco desfila num Mercado

Lea T mostra seu look e um modelo exibe seu traje conservador (Fotos: Zé Takahashi)

A Água de Coco por Liana Thomaz realizou, quinta-feira, desfile-experiência no Mercado Municipal de São Paulo para apresentar sua nova coleção intitulada Menu. Sasha Meneghel abriu o desfile ao som de Pretinho da Serrinha e da cantora Paula Lima. A top Lea T também foi um dos destaques, integrando o casting composto por modelos de belezas diversas refletindo a brasilidade.

A mulher da Água de Coco é ousada, já o homem depois eu conto (Fotos: Ze Takahashi)

Foi a primeira vez que o Mercado Municipal recebeu um desfile de moda e, como contrapartida a marca realizará benfeitorias neste importante prédio histórico e arquitetônico da cidade de São Paulo como a limpeza da área externa e de 700m² da área interna. A coleção tem como inspiração a pluralidade e riqueza dos elementos que compõem um menu completo.

Dois looks remetendo para a velha guarda (Fotos: Ze Takahashi)

As estampas retratam o passo a passo para elaboração de uma receita, desde o momento da escolha das frutas e temperos na feira, até a refeição pronta com a mesa posta, repleta de alimentos e com Coca-Cola para acompanhar. As estampas que reproduzem esta festa gastronômica foram apresentadas nas seguintes famílias: Feira, Rótulos, Menu, Mesa Brasileira, Coca-Cola e os Pratos. Na Plateia destacamos os pais de Sascha: Luciano Szafir e Xuxa Meneghel.

Sascha Meneghel arrasou, mas o bofe não ficou atrás (Fotos: Ze Takahashi)

Todas as frutas que foram utilizadas para decorar o cenário do desfile foram manipuladas com luvas e foram doadas para a instituição Lar Nefresh, uma entidade sem fins lucrativos e econômicos, cuja finalidade é acolher pelo período mínimo crianças/adolescentes vítimas de maus tratos e violência doméstica e oferecer cuidados fundamentais. São cerca de 100 famílias atendidas pela instituição.

Xuxa e Sasha Meneghel com Luciano Szafir (Foto: Cleiby Treisan)

Empresas & Negócios

A estilista Keila Benício, leia-se Blu K, está comemorando seus 33 anos de sucesso da marca. Para celebrar, a empresária arma ações durante todo o mês, que trazem vantagens e condições especiais nas 11 lojas espalhadas pelo Nordeste.

A Rota Premium em ritmo de São João está movimentando um festival de comidas típicas hoje e amanhã, das 10h às 18h, para mostrar as novidades da Volvo. E de quebra os carros dos convidados terão a uma lavagem de cortesia.

A It Agency Management, de Alvaro Di Paula, João Barros, Fabricio  Souza e Iran Nascimento, está em temporada de Casting de novos rostos para  elenco. A ideia é dar oportunidade a jovens, com idade mínima de 15 anos.

O Cabine Fashion, comandado pela empresária Bianca Branco, realiza edição especial de Dia dos Namorados e São João hoje e amanhã, na Di Branco Recife Antigo. O evento reúne mais de 30 marcas com descontos de até 70%.

 

Bom dia tristeza, Nerize

“Sebastião, meu bem / Anda logo, vem / vem pra mais perto de mim / Chegadinho assim / Sua muié num tá presente / Quem mandou num tá? / Chega mais um bucadinho / Larga de me olhar / Encrenca num vai dá, / Somo di maió / Podi nem dar confusão / num se avexe, não/ Casquinha é bom de se tirá / Embora aproveitar / A melodia do baião / Mas num rode tanto assim / Que se não o vento dá / Minha saia vai subi / E esse povo todo vai oiá / Anda, peste, vem pra cá / Q’eu me achego mais procê / Vê cinema eu sei que é bom / Mas ninguém vai vê”, de Dolores Duran era uma das músicas preferidas desta notável cantora pernambucana, que faleceu na véspera de Natal, aos 82 anos.

n-nerize-gracinha4

Nerize Paiva no inicio de sua carreira (Foto: Cortesia)

Estamos nos referindo a Nerize Paiva dos Santos. Esta deusa de ébano, tinha apenas 1m60 de altura mas quando subia no palco da Rádio Jornal do Commercio levava o publico, principalmente os homens à loucura. Era chamada de furacão dos auditórios. Ela reinou entre as décadas de cinquenta e setenta, aliás época de ouro do radio pernambucano. Quando Nerize era anunciada parecia que era um tsunami estava para vir. Morreu no ostracismo como os grande nomes da história. Minha querida amiga, quanta saudade. Quando ti vi numa cadeira de rodas, isso desde o ano 2000, entendi que no mundo nada se leva.

n-nerize-grainha

Nerizas Paiva na Rádio Jornal (Foto: Cortesia)

Ela ousou e como. Quando cantava dançava levantava a saia e o mundo vinha abaixo. Quem não lembra dela cantando Vai Lavar Teu Siri, ou música Qual é o pó, qual é pó / É entrar na folia / E arranjar um xodó / Ai essa não / Não sou de casamento / E nem dou meu coração / Cachaça só tomou na cuia / Meu fraco é namorar / Aquelas tuias”, de Sebastião Lopes, dou então Operação Macaco de Nelson Ferreira: “Dizem que em 60 nego vai virar macaco / ora vejam só que grande confusão / Se for verdade essa Operação Macaco / penca de banana vai custar um milhão”.

n-nerize-jovem-gracinha

Nerize Paiva numa excursão por Sergipe (Foto: Cortesia)

Com a chegada da televisão os castings das rádios tiveram uma baixa e ai começou o ocaso de Nerize Paiva. Quando a sua mãe faleceu Nerize foi morar no Rio de Janeiro e lá conheceu um gaúcho descendente de alemão, o sargento da Marinha Gercy Rutz, foi amor à primeira vista. No dia 22 de março de 1991, em Manaus, se casaram e vieram morar no Recife. A prova é que Rutz ficou ao seu lado até o dia 24 de maio deste ano quando Nerize foi se juntar no céu com Dolores Duran, Sebastião Lopes e Nelson Ferreira.

n-nerize-contracapa

A contra capa do disco que Nerize gravou (Fotos: Cortesia)

E com certeza deve ter cantado Não se avexe não., Qual é o Pó e Operação Macaco. Não posso precisar se ela levantou a saia mas caso o fizesse São Pedro deve adorar. Nerize, ainda me lembro da comemoração do seu aniversário de 2010, quando tive a felicidade de ir até o seu apartamento na Imbiribeira, levado por Carmen Towar. Daquela Nerize Paiva que aplaudia no auditório da Rádio Jornal do Commercio não tinha quase nada. Tanto que ela ao invés de cantar Sebastião meu Bem preferiu interpretar Bom Dia Tristeza de Adoniran Barbosa.

neriza-contracapa

Nerize Paiva e a capa do disco Boca de Forno (Fotos: Cortesia)

E todos reverenciaram a musa, cantando: “Bom dia, tristeza / Que tarde, tristeza / Você veio hoje me ver / Já estava ficando / Até meio triste / De estar tanto tempo / Longe de você / Se chegue, tristeza / Se sente comigo / Aqui, nesta mesa de bar / Beba do meu copo / Me dê o seu ombro / Que é para eu chorar / Chorar de tristeza / Tristeza de amar”. E eu sentado via passar a história radiofônica diante dos meus olhos, que tanto povoou minha adolescência. A sala parecia um botequim ou seria um auditório? E quando de lá sai, com lágrimas nos olhos lembrei de Maysa.

n-nerize-paiva3

Nerize Paiva no dia do seu aniversário em 2010 (Foto: Fernando Machado)

E sabe qual a música que Maysa cantava para mim? Chão de Estrelas de Orestes Barbosa: “Minha vida era um palco iluminado / Eu vivia vestido de dourado / Palhaço das perdidas ilusões / Cheio dos guizos falsos da alegria / Andei cantando a minha fantasia / Entre as palmas febris dos corações / Meu barracão no morro do Salgueiro / Tinha o cantar alegre de um viveiro / Foste a sonoridade que acabou / E hoje, quando do sol, a claridade / Forra o meu barracão, sinto saudade / Da mulher pomba-rola que voou”. Não me perguntem porque Maysa e muito menos Chão de Estrelas, de Orestes Barbosa.

 

  • 1 2