Fernando Machado

Blog

Tag carnavalescos

Anotações do Cotidiano

O Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional 2017 está com inscrições abertas até o dia 3 de março. Ao todo, serão R$ 183 mil em prêmios distribuídos em nove categorias. O Grande Prêmio Nacional será temático e premiará trabalhos que abordem o tema Inovação no Nordeste. Mais informações no www.bancodonordeste.gov.br (Sala de Imprensa/Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo).

Termina hoje, o prazo para se inscreverem nos Concursos Carnavalescos de 2017. Inscrições na Casa do Carnaval. São eles: Rei Momo e Rainha do Carnaval, Passista, Fantasia e, de Porta Estandartes, Flabelista, Mestre Sala e Porta Bandeira. Ninguém agüenta mais estes desfiles de alegorias, que os coordenadores da Prefeitura do Recife, insistem em afirmar que são fantasias. É tempo de reciclar.

Quando o Carnaval Chegar

A Prefeitura da Cidade do Recife, por meio do Núcleo de Concursos e Formação Cultural da Secretaria de Cultura, abre inscrições para os concursos carnavalescos. A competição irá definir os melhores Passistas, Porta Estandartes, Mestre Sala, Porta Bandeira e o Rei e Rainha no Carnaval 2013.

Os interessados podem se inscrever na Casa do Carnaval, no Pátio de São Pedro, até 4 de janeiro de 2013, no horário das 10h às 16h. Os Concursos vão acontecer entre os dias 12 e 20 de janeiro, conforme a tabela abaixo. Os valores da premiação variam entre R$100,00 e R$15.000,00, de acordo com a categoria e classificação.

A Noite dos Blocos e do Edgard Moraes


Valéria Moraes com dois bisnetos de Edgard Moraes: Marcos César Filho e Igor Catão (Foto: Fernando Machado)

Com o céu de brigadeiro e uma lua nova deslumbrante aconteceu quinta-feira, no Pátio de São Pedro, a comemoração do Dia do Frevo de Bloco. A festa começou às 19h e terminou às 21h. Apesar de o evento ter sido uma realização da Prefeitura do Recife, com o Coral Edgard Moraes, ninguém do alto escalão da prefeitura pintou por lá. Nem mesmo o secretário de Cultura.


O animador cultural Sérgio Gusmão (Foto: Fernando Machado)

Também não fez falta, afinal de contas eles não gostam de frevo e sim de cantores do sul maravilha não sabe o que perderam. Esperamos que o próximo prefeito Geraldo Julio seja mais sensível à nossa cultura. O mestre de cerimônias foi o competente Sérgio Gusmão que deu aquele show de narração.


Um pouco do Pátio de São Pedro (Foto: Sérgio Gusmão)

O Coral Edgard Moraes e sua e sua Orquestra de Pau e Cordas dirigida pelo Maestro Marco César, comemorando 25 anos de Frevo de Bloco e lançou seu novo CD, Cantos & Encantos, que está um primor. Nele temos 16 faixas, cada uma mais bonita do que a outra. Cerca de dois mil seguidores estavam no Pátio de São Pedro aplaudindo e vendo os blocos líricos evoluírem.


A cantora Dalva Torres e o Maestro tricolor Edson Rodrigues (Foto: Fernando Machado)

Do Frevo Chorado de Getúlio Cavalcanti pincei esse trecho: “Não repare a tristeza / Nesse frevo chorado / Nosso brilho encantado / Não pode reluzir / Foram cordas partidas / Pelas mãos do infinito / Bila, dá um abraço no Dega / O teu bloco não nega / Que é preciso cantar / Onde houver a certeza / De que somos pastores / Evocando valores / E esquecer-se de chorar.”


O Maestro Ademir Araújo e o compositor Luiz Guimarães (Foto: Fernando Machado)

De acordo com Valeria Moraes, produtora do evento e integrante do Coral Edgard Moraes, a festa acaba sendo uma confraternização entre os carnavalescos e brincantes. E ela tinha razão virou um grande encontro de Blocos Líricos, com cerca de 30 agremiações. O evento é ponto de encontro de músicos, compositores, maestros, carnavalescos e apaixonados por este gênero que vem crescendo a cada ano na nossa cidade e estado.


Quanto mais perseguidores melhor (Foto: Fernando Machado)

Relembrando o passado


Os compositores Getulio Cavalcanti e Humberto Vieira (Foto: Fernando Machado)

“Vou relembrar o passado / Do meu carnaval de fervor / Neste Recife afamado / De blocos forjados / De cor e esplendor / Na Rua da Imperatriz / Eu era muito feliz / Vendo o bloco desfilar / Escuta Apolonio o que vou relembrar / Os Camponeses, Camelo e Pavão / Bobos em Folia, do Sebastião / Também Flor da Lira com seus violões / Impressionava com suas emoções”, de João Santiago resume tudo porque tantos seguidores estavam no Pátio de São Pedro.


Cassio Duarte do O Bonde e a flabelista Jessica di Carli (Foto: Fernando Machado)

A imponente e centenária Concatedral de São Pedro dos Clérigos, testemunhava os 30 blocos líricos evoluíram com muito fervor. As flabelistas orgulhosas se rendiam aos flashes. Esse sim é o verdadeiro carnaval fora de época do Recife. A Meca dos blocos Líricos estava como Capiba, Nelson Ferreira, Antonio Maria, Genival Macedo, Luiz Bandeira, João Santiago, Edgard Moraes, Romero Amorim e Luiz de França gostavam. E eles lá do céu com certeza aplaudiam a iniciativa e quem sabe não pensem em compor novas melodias.


Bianca Marques à côté Flávio Moraes (Foto: Fernando Machado)

Quando foi executada “Antigamente / quando eu ouvia / vindo de longe / a orquestra do meu bloco / de braços dados com Maria / cantava alegre / até o romper do dia.” Pensei “Meu Deus do Céu / Meu Deus do Céu / Onde andará Maria.” Lembrei de Maria Sanchez-Carlo que está em Washington DC e era uma autentica passista. Tem nada não, Maria seu CD do Bloco de Edgard Moraes já está comigo para presenteá-la.


Buglê Ferreira dos Santos, Maria Eduarda Barbosa, Herbert Victor Andretti e Valdir Neves (Foto: Fernando Machado)

Quando o coral atacou de Madeira que cupim não rói, os seguidores foram à loucura e cantaram como se fosse pela última vez: “Madeira do Rosarinho / Vem à cidade sua fama mostrar / E traz como seu pessoal / Seu estandarte tão original / Queiram ou não queiram os juízes / O nosso bloco é de fato campeão.”


A flabelista Laís Clímico e as pastoras (Foto: Fernando Machado)

Entre os blocos destacamos o da Saudade, Pierrot de São José, O Bonde, Flor da Lira, Poesia, Cordas e Retalhos, Batutas de São José, das Flores, Compositores e Foliões e entre os compositores anotei Edson Rodrigues, Ademir Araújo, Luiz Guimarães, Humberto Vieira, Claudio Almeida, Samuel Valente, Braulio de Castro e o Maestro Spok (A última vez que tinha falado com ele foi em Nova Iorque).


Na multidão estava o tricolor Alberto José dos Anjos e sua mulher Simone Roberta (Foto: Fernando Machado)

A festa foi encerrada com a música “Falam tanto que meu bloco está / Dando adeus pra nunca mais sair / E depois que ele desfilar / Do seu povo vai se despedir / No regresso de não mais voltar / Suas pastoras vão pedir / É lindo ver / O dia amanhecer / Com violões e pastorinhas mil / Dizendo bem / Que o Recife tem / O carnaval melhor do meu Brasil”, de Getulio Cavalcanti.