O Judô nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Encerrado o Mundial de Budapeste, último torneio válido pela corrida do ranking olímpico de judô e que rendeu ao Brasil os bronzes de Beatriz Souza, Maria Suelen AItheman e da equipe mista,  a Confederação Brasileira de Judô anunciou quarta-feira os 13 convocados para os Jogos de Tóquio. Com isso, o Brasil tem agora 272 vagas no Japão em 33 modalidades. Dessas 121 são nominais – as demais dependem de convocação das confederações.

As judocas Maria Portela, Larissa Pimenta e Maria Suellen (Foto: Roberto Castro)

Desse grupo, 110 (90,9%) estão no Bolsa Atleta, programa de patrocínio individual do Governo Federal Brasileiro, executado pela Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, leia-se Marcelo Magalhães, secretário especial do esporte do Ministério da Cidadania. Somando as 33 modalidades em que o Brasil tem vaga assegurada, os recursos repassados às modalidades chegam a R$ 220 milhões. Apenas no judô, são R$ 16,26 milhões no atual ciclo olímpico.

O judoca Rafael Silva (Foto: Roberto Castro)

Os atletas que representarão o Brasil no judô são: Eric Takabatake (60kg), Daniel Cargnin (66kg), Eduardo Barbosa (73kg), Eduardo Yudy Santos (81kg), Rafael Macedo (90kg), Rafael Buzacarini (100kg) e Rafael Silva (+100kg), no masculino; e Gabriela Chibana (48kg), Larissa Pimenta (52kg), Ketleyn Quadros (63kg), Maria Portela (70kg), Mayra Aguiar (78kg) e Maria Suelen Altheman (+78kg), no feminino. Apenas Gabriela Chibana e Eduardo Barbosa não estão entre os bolsistas atualmente, mas receberam investimentos ao longo do ciclo.