Fernando Machado

Blog

Tag avó

Fatos Diversos

Jhonatan Lourenço faz doutorado da Universidade de Brisbane, na Austrália, onde reside. Pois bem, ele é um leitor costumaz do nosso blog e mandou uma mensagem agradecendo por termos lembrado os 95 anos de nascimento do seu avô, Waldomiro Arruda, falecido em 1994. Sem dúvida um gesto bonito de Jhonatan, o de agradecer. Gente fina é outra coisa.

Terminam hoje, as inscrições para o Prêmio Design MCB, premiação do Museu da Casa Brasileira, instituição administrada pela Fundação Padre Anchieta, site do MCB. O resultado do Concurso do Cartaz será divulgado no dia 04 de outubro de 2022. A exposição que apresentará os premiados e selecionados será aberta em 17 dezembro de 2022, com visitação até fevereiro de 2023.

O Sim de Barbara e Fabrizio!

Barbara e Fabrizio (Fotos: Sabrina Vasconcellos)

Sábado, às 16h, nos jardins da Vila Santa Teresa, um maravilhoso hotel do clã Monteiro de Carvalho, com uma vista cinematográfica da Baia da Guanabara, aconteceu o casamento da neta e Therezinha Morango e Alberto Pittigliani, a belíssima Barbara Pittigliani by Marta Macedo estilista da griffe Martu. O vestido era lindo de quebra uma saia postiça deslumbrante, que depois ela a tirou para poder cair no samba.

O pai Alberto Pittigliani e a filha Barbara Pittigliani (Foto: Sabrina Vasconcellos)

Bárbara usou colar e brincos de brilhantes que pertenceram a sua famosa avó Therezinha Morango Pittigliani Miss Brasil de 1957 e ficou em 2º lugar no Miss Universo de 1957. A pedra central do colar, um enorme brilhante que Therezinha ganhou de seu marido Alberto Pittigliani quando se casaram em 1958. Bárbara é a ún ica neta Therezinha e Alberto Pittigliani. Linda a homenagem que a noiva fez para sua avó paterna. Colocou um Porta Retrato com a foto Therezinha Morango, no altar.

A mãe da noiva Adriane Ferreira Pittigiliani e Barbara (Foto: Sabrina Vasconcellos)

O fim de tarde de sol ameno realçou a beleza da cerimônia, cujo cerimonial coube ao papa Ricardo Stambowsky, tio da noiva. A decoração grifada por Eugênia Guerrera e se inspirou no país do sol nascente. Do teto caiam dobradura de pássaros de papel inspirado na técnica milenar japonesa, Origami. Conta à lenda os Tsurus são símbolo de paz! Os padrinhos entraram pelo corredor principal da capela cenográfica até o altar, onde a juíza Tábata Leão aguardava os noivos.

Os pais do noivo Ednyra e Francisco Godoy Ferreira (Foto: Sabrina Vasconcellos)

Fabrizio Godoy, muito elegante, entrou pela nave central ao som de What a Wonderful World, de Louis Armstrong. Barbara, irrepreensível com um vestido que recebeu de presente de Theresinha Morango Pittigliani, chegou ao local a bordo de um Chevrolet de 1939, ao lado pai, Alberto Pittigliani Júnior. Ao entrarem pela nave central tiveram como trilha sonora Per Amore, da compositora italiana Mariella Nava.

Juliana Vasconcellos, Andrea Berensztjn, Ricardo e Sueli Stambowsky (Foto: Sabrina Vasconcellos)

Os noivos saíram do altar ao som de Cheer Leader do artista jamaicano OMI. Não esquecer que os convidados pareciam flutuavar sob um céu estrelado testemunhado por uma lua quarto crescente. Como poderia chover Os noivos e os convidados se debruçaram sobre da Baía de Guanabara, do Pão de Açúcar e do Corcovado. Steven Spielberg ficaria feliz em descobrir este set para um dos seus filmes. Terminada a cerimônia foi servida uma ceia de a gente comer rezando para o Cristo Redentor, assinada por Andréa Tinoco, do Pato com Laranja.

Barbara e Fabrizio cortando o bolo (Foto: Sabrina Vasconcellos)

A festa somente terminou às quatro horas da manhã, depois dançarem muito ao som do DJ Buga, da bateria da Escola de Samba Grande Rio e de Ivo Meirelles e seu grupo de percussão Funk’n’Lata. Enquanto isso o Perrier Jouet borbulhava nas taças. Em tempo, 150 guarda-chuvas transparentes estavam a disposição, caso chovesse, mas Bárbara e Fabrizio e claro Ricardo Stambowsky são assim ó, como São Pedro.

Os noivos Fabrizio e Barbara (Foto: Sabrina Vasconcellos)

De Volta para o Passado

Há 135 anos, nascia em Pernambuco, minha avó paterna Maria Raimunda de Lima, que morreu no dia 17 de outubro de 1961.

Há 95 anos, nascia no Rio Grande do Sul, o jornalista Plínio Pacheco, que morreu no dia 22 de agosto de 2002.

De Volta para o Passado

Há 95 anos, nascia em Goiás, o radialista Valdir Amaral, que morreu no dia 6 de outubro de 1997.

Há 60 anos, morria em Pernambuco, minha avó paterna Maria Raimunda de Lima, que nasceu no dia 20 de outubro de 1886.

  • 1 2 5