Fernando Machado

Blog

Miss Pernambuco de 1958

Hoje faz 55 anos que a mulata grau 10 Sonia Maria Campos, Miss Santa Cruz, vencia no Clube Português, o concurso de Miss Pernambuco de 1958. Desfilaram no festival da beleza nove candidatas para um publico estimado em cinco mil pessoas. Era o tempo do glamour das misses, que nunca mais voltará, apenas deste tempo restaram as fofocas.  

pe-58-misses 58

As misses na pergula da piscina do clube Português (Foto: Correio da Manhã)

As candidatas foram Josefina Barreto do America, Ligia Villar do Cabanga, Maria Helena Padilha do Circulo Militar, Silvia Martins de Almeida Internacional, Maria de Lourdes Costa do Jet, Louise Brendell do Náutico, Sonia Maria Campos do Santa Cruz, Iara Portella do Clube dos Universitários e Ingrid Hoffmann do Português.

pe-58-sonia-maria-campos-maio

Sonia Maria Campos desfilando de maiô (Foto: Arquivo)

O concurso de Miss Pernambuco foi coordenado por Alex, que também fez parte do júri. As misses foram maquiadas por Alberto Zampolioni, Hemê Pessoa e Mucio Catão. Os penteados foram grifados pelos cabeleireiros Alécio, Alberto Zampolioni, Ernane e Aparecida. As misses tiveram como personal trainer Otavio Catanho.

pe-58-zaira-sonia-campos-louise-brandell-josefina-barreto-helena-padilha-silvia-martins-dealmeida-lourdinha-costa-iara-portela

Zaira Pimentel, Sonia Maria Campos, Louise Brendell, Josefina Barreto, Helena Padilha, Silvia Martins de Almeida, Lourdinha Costa e Iara Portella (Foto: Correio da Manhã)

Já era manhã do domingo quando Zayra Pimentel, Miss Pernambuco de 1957 passou a faixa de Miss Pernambuco de 1958 para Sônia Maria Campos que usava um modelo criado por Marcilio Campos e confeccionado por Cecília Campos. No segundo lugar ficou Ingrid Hoffmann que nasceu na Paraíba e o terceiro com Louise Brendell recém chegada da Alemanha, que usou um modelo de Victor Moreira.

pe-58-miss-dp

Reprodução do Diário de Pernambuco do dia 3 de junho de 1958

A vitória de Sônia foi contestada por ser mulata e ter vencido duas loiras. O cronista social Altamiro Cunha, que não participou da comissão julgadora torceu por Sonia Maria Campos. Já o sociólogo Gilberto Freyre do júri não escondia que Sônia era a candidata mais pernambucana de todas.

0

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.