Fernando Machado

Blog

Categoria Notícias da Caserna

Os novo Cadetes da FAB

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, participou sexta-feira, da cerimônia militar de entrega de espadins a 205 novos cadetes da Força Aérea Brasileira, em Pirassununga (SP). O espadim é uma pequena espada, símbolo do cadete, que o acompanha até a conclusão do curso. “A formação militar envolve uma gama de atribuições, dedicação à rotina de estudos e atividades, e oportunidade de enriquecimento pessoal e profissional. Assim será ao longo de suas carreiras”, afirmou o ministro da Defesa, Walter Braga Netto.

As autoridades no palanque ao lado do presidente Bolsonaro (Foto: José Dias/PR)

Batizada de Árion, a turma é composta por 205 cadetes, dos quais, 138 são aviadores, 42 intendentes e 22 de infantaria. Desse total, três são cadetes de Benin, Senegal e Togo, consideradas nações amigas. Durante a entrega dos espadins pelos padrinhos dos cadetes, as aeronaves da Esquadrilha da Fumaça fizeram sobrevoos ao local. Também escreveu de fumaça no céu o nome da turma. Uma solenidade de muita pompa e circunstância.

Presidente Bolsonaro na Escola Naval

Presidente Jair Bolsonaro participou, sábado, de cerimônia de juramento à Bandeira e entrega do Espadim a alunos da turma Almirante Bosísio, da Escola Naval, no Rio de Janeiro. O evento marca o encerramento do primeiro ano de preparação para o oficialato e a incorporação dos aspirantes à Marinha. São 170 alunos, sendo 12 mulheres e sete estrangeiros de Camarões, Namíbia e Senegal, que participam da turma por meio de acordo de cooperação do Brasil com esses países. Em cerimônia na Escola Naval, o Presidente Jair Bolsonaro entregou o Espadim ao chefe de classe Matheus Reis Silveira. Em discurso aos alunos, o ministro da Defesa, general Braga Netto, ressaltou a importância dos jovens militares na defesa da liberdade, progresso e democracia.

O presidente Bolsonaro passando revista na tropa (Foto:  Marinha)

A Escola Naval é a instituição de ensino superior mais antiga do Brasil e forma oficiais para os postos iniciais das carreiras dos Corpos da Armada, Fuzileiros Navais e Intendentes da Marinha. Atualmente, conta com 807 aspirantes. Foi criada em 1782, em Lisboa, Portugal, sob a denominação de Academia Real de Guardas-Marinhas. Com a vinda da Família Real para o Brasil, a Academia desembarcou no Rio de Janeiro em 1808. Em um primeiro momento, foi instalada no Mosteiro de São Bento e lá permaneceu até 1832. Depois de várias mudanças, em 1938 passou a funcionar na Ilha de Villegagnon.

Militares nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Ana Sátila está na canoagem (Foto: MF)

A 50 dias dos Jogos Olímpicos de Tóquio, 63 militares do Programa Atletas de Alto Rendimento das Forças Armadas garantiram vaga para a competição, em 17 modalidades, das 27 incluídas no torneio. As disputas estão previstas para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto. Para garantir a segurança dos atletas olímpicos, paralímpicos e das comissões técnicas que representarão o Brasil em Tóquio, ação interministerial, composta pelos Ministérios da Defesa, da Saúde e da Cidadania, com apoio do Comitê Olímpico do Brasil e do Comitê Paralímpico Brasileiro, possibilitou a vacinação contra a Covid-19.

Agatha Rippel no vôlei de praia (Foto: MF)

A imunização teve início em 14 de maio e ocorrendo no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e Fortaleza. Até o momento, mais de 1.280 integrantes do Time Brasil foram vacinados com a primeira dose. Começou sexta-feira e segue até 12 de julho, a aplicação da segunda dose da vacina. Entre os que vão participar destacamos a 3º Sargento da Marinha Ágatha Rippel e a 3º Sargento do Exército Eduarda Lisboa (Vôlei de Praia). O 3º Sargento do Exército Gabriel Constantino, participará da prova dos 110 metros com barreiras e a 3º Sargento Ana Sátila garantiu a vaga olímpica na Canoagem, em 2019.

Gabriel Constantino atletismo (Foto: MF)

Garnier é o novo comandante da Marinha

Às margens do Lago Paranoá e sob o céu azul, Fuzileiros Navais trajando a bela farda branca de gala e portando seus fuzis aguardavam enfileirados o início da cerimônia. À esquerda do púlpito de autoridades, ficou posicionada a Banda Grupamento de Fuzileiros Navais. Foi nesse cenário, no pátio do Grupamento de Fuzileiros Navais, em Brasília, que o Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos assumiu o Comando da Marinha do Brasil, na manhã de ontem. O Ministro da Defesa, Walter Braga Netto, acompanhou o Presidente da República, Jair Bolsonaro, na solenidade.

Almir Garnier Santos, Jair Bolsonaro, Walter Braga Netto e Ilques Barbosa Júnior (Foto: Igor Soares)

Na ocasião o Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Júnior passou o cargo ao novo Comandante, Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos. Emocionado, o substituto recordou sua trajetória na Marinha, desde o seu ingresso na Força. De origem humilde, ele relatou um pouco da sua trajetória. “Quando garoto, via aqueles homens em uniformes brancos manobrando grandes belonaves com grandes canhões e imaginava serem muito diferente de mim. Não eram. Eram apenas brasileiros, que, como eu, tinham a Pátria por devoção”, contou.

Almirante Garnier diante da Banda do Grupamento de Fuzileiros Navais (Foto: Igor Soares)

Aliás, o blog estende o tapete vermelho para o Almirante Garnier que abriu seu notável discurso, assim: “Excelentíssimo Senhor Presidente Jair Messias Bolsonaro, legal e democraticamente entronizado pelo provo brasileiro como comandante supremo das Forças Armadas”. Após o momento da passagem de comando entre os Almirantes, houve salva de 19 tiros de canhão. Ao término, a tropa de Fuzileiros Navais desfilou, em continência ao Comandante da Marinha, ao som da Banda do Grupamento de Fuzileiros Navais.