Fernando Machado

Blog

Categoria artes plásticas

Walter Freitas e sua pintura

Walter Freitas em Olinda (Foto: Face)

O artista plástico Walter Freitas, nasceu no Recife, em 21 de janeiro de 1968, tem um 1m72 de altura, estudou Desenho Arquitetônico, tem seu ateliê de Pau Amarelo. Começou a pintar aos 20 anos. Adora pintar paisagens, principalmente o litoral norte de Maria Farinha, mas de vez em quando incursiona nos nus artísticos.

Uma paisagem linda by Walter (Foto: Face)

As peças de Walter Freitas são verdadeiros painéis. São obras bonitas e com muita pernambucanidade. Ele tem como artista plástico preferido Vincent van Gogh. O seu objetivo é expor seus trabalhos no Recife. Vamos torcer para que essa pandemia passe para esse artista possa mostrar seu talento.

Uma maravilha essa pitangas de Walter (Foto: Face)

O que restou da Usina José Rufino

O usineiro José Rufino (Foto: Divulgação)

O advogado José Rufino Bezerra Cavalcanti que nasceu em Vitória de Santo Antão em 16 de agosto de 1865, e morreu no Recife em 27 de março de 1922, foi ministro da Agricultura do Brasil entre 1915/1917 no Governo de Venceslau Brás, e governador de Pernambuco entre 1919/1923, morava na Usina José Rufino, no Cabo de Santo Agostinho. A casa-grande construída em 1912, era em estilo art nouveau, era tombada foi posta a abaixo. Esta mesma casa, foi sede do governo, por mais de um ano.

Ricardo Bandeira de Melo observando as ruínas do patrimônio (Fotos: Acervo RBM)

Pois o seu tataraneto Ricardo Bandeira de Melo teve a curiosidade de visitar casarão semana passada, tomou um susto, pois está em ruínas. Da igreja sobrou apenas a sua frente. Ricardo protolocou um pedido à Prefeitura do Cabo de Santo Agostinho, à Secretaria de Cultura do Estado, ao IPHAN, a FUNDAJ e a FUNDARPE, para que medidas sejam tomadas para a preservação do que restou do patrimônio histórico. José Rufino era casado com Hercília Pereira de Araujo e tiveram 11 filhos. Sua filha Hercília (Cilu) casou com Alfredo Bandeira de Melo.

O que restou do casarão de José Rufino (Foto: Ricardo Bandeira de Melo)

No Mundo das artes

A marchande Christiana Asfora Cavalcanti ao lado do pai Roberto Cavalcanti (Foto: Divulgação)

Quinta-feira tivemos a abertura da Christal Galeria no Pina, de Christiana Asfora Cavalcanti, em respeito ao decreto do governo estadual que suspendeu os eventos, fez a apresentação da galeria por transmissão online. A Christal Galeria abriu com a exposição coletiva Identidade Matriz, que reúne trabalhos de artistas mulheres e faz uma homenagem a Tereza Costa Rêgo. A mostra pode ser conferida até o dia 8 de março.

Roberta Guimarães, Juliana Notari, Christina Machado e o curador Laurindo Pontos (Foto: Divulgação)

Gal Oppido expõe a Shunga

O fotógrafo ensaísta e expoente da arte contemporânea brasileira, Gal Oppido é um ávido pesquisador da arte erótica japonesa, Shunga. Em suas fotografias, aquarelas, xilogravuras, obras em suportes diversos, o corpo é fonte provedora de liberdade e sensualidade, inquietação e mistérios, tal qual um lugar a ser desbravado. Uma síntese inédita desta aproximação com a cultura japonesa pode ser vista na exposição Shunga: Serenos e Ofegantes, em cartaz até 20 de fevereiro na Galeria Lume, no Jardim Europa, em São Paulo.

Gal Oppido e uma das suas obras (Fotos: Divulgação)

Durante os quase três séculos do período Edo, o Japão vivia um momento de isolamento. Foi nesta época que nasceu Shunga, a arte erótica que trazia à sociedade uma espécie de cartilha sexual, com ilustrações dos mais diferentes ritos sexuais de características gráficas e cores vivas criadas pelos principais artistas deste período. Para Oppido, que teve o primeiro contato com Shunga no início da década de 1970, a arte vai muito além dos ritos sexuais. A exposição é proibida para menores de 18 anos.