Fernando Machado

Blog

junho 2019

Pausa Poética

“O sofrimento é o preço que pagamos pelo amor”. Rainha Elizabeth II

Para o Imperador Naruhito

O Imperador Akihito, de 85 anos, abdicou sua função em prol do filho o Principe Naruhito, de 59 anos, encerrando a Era Heisei, que agora é o novo Imperador do Japão e abre uma nova era em 200 anos. A Reiwa, que em português significa bom ou ordem e harmonia. E por conta deste gesto o cônsul geral do Japão no Nordeste do Brasil, Jiro Maruhashi, abriu as portas do seu apartamento na Avenida Boa Viagem, para uma recepção petit comité.

O cônsul geral Jiro Maruhashi e o cônsul Tadao Furukawa (Foto: Fernando Machado)

Durante o encontro tivemos três falas: a do cônsul geral Jiri Maruhashi, a da embaixadora Katia Gilaberte, Chefe do Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores para o Nordeste, (lembrou que sua primeira missão diplomática foi no Japão e que testemunhou as três eras) e a do próprio Imperador Naruhito, via  por sinal seu primeiro discurso após ascender ao trono na cerimônia Sokui-go-Choken-no-gi.

A embaixadora Katia Gilaberte e a cônsul geral da Alemanha Maria Köenning de Siqueira Rregueira (Foto: Fernando Machado)

Asssim falou o Imperador: “Eu sucedi ao trono conforme estipulado pela Constituição do Japão e pela Lei de Medidas Especiais sobre a Lei da Casa Imperial. Quando penso nas grandes responsabilidades que assumi, me sinto repleto de um sentimento solene. Refletindo sobre o passado, Sua Majestade, o Imperador Emérito, orou pela paz no mundo e felicidade do povo japonês por mais de 30 anos”.

O Superintende da Policia Federal Carlos Henrique Sousa e o cônsul geral dos EUA John Barrett (Foto: Fernando Machado)

-Sua Majestade compartilhou da felicidade e tristeza do povo em todos os momentos, mostrando grande dedicação por meio de suas próprias ações, e cumpriu cada um de seus deveres com sinceridade. Eu gostaria de expressar meu profundo respeito e gratidão pela atitude que Sua Majestade, o Imperador Emérito, demonstrou como símbolo do Estado. Conforme sucedo ao trono, estou refletindo profundamente sobre o caminho tomado por Sua Majestade, o Imperador Emérito.

O major Kazuhita Toda, o mar-e-guerra Mauricio Bravo, o general Carlos Duarte Pontual de Lemos e o brigadeiro César Farias Guimarães (Foto: Fernando Machado)

E conclui: “Terei em mente os feitos dos Imperadores no passado, e irei me esforçar para me aperfeiçoar. Juro cumprir meus deveres, como símbolo do Estado e da unidade do povo, em conformidade com a Constituição, sempre pensando sobre a população e a apoiando. Eu desejo sinceramente a felicidade do povo, o crescente desenvolvimento da nação, e a paz em todo o mundo”.

O cônsul de Portugal Marco Ferreira de Melo, a jornalista Jô Mazzarolo e colunista social João Alberto (Foto: Fernando Machado)

Na sequencia foi servido um jantar tipicamente japonês, assinado pelo chef japonês Maruyama, que contou de sushi-niguiri (salmão / atum / carpacho de camorim / tamagoyaki (ovo frito) / ovo de peixe voador), gunkan de salada, futomaki de atum e de abacate com cobertura de gengelim, hosomaki de pepino; tempra de camarão, yakisoba de frutos do mar, berinjela cozido com espinafre, tofu frito e nozes Salada.

A superintendente da Infraero Elenilda Cunha e a cônsul da Venezuela Sonia Rossel (Foto: Fernando Machado)

Para sobremesa foi servida torta de chocolate e chocolate branco com cobertura de matcha, bolo de goiaba com cobertura de creme de baunilha, pudim, frutas variadas (melancia/melão/ uva/ abacaxi). Tudo isso regado sake de Koimari, cachaça de ameixa e chá verde. Sem dúvida uma noite histórica para o mundo que marca a nova era Reiwa. A diva da imprensa Jô Mazzarolo esteve recentemente no Japão e voltou encantada com tudo que viu.

 

Réquiem para a Miss Brasil de 1956

Miss Universo de 1956, Carol Morris e Maria José Cardoso em Long Beach (Foto: O Cruzeiro)

Maria José Cardoso, do Rio Grande do Sul, não era gaucha, e sim de Santa Catarina, foi eleita Miss Brasil de 1956, em 16 de junho de 1956, no Quitandinha, em Petrópolis, no Rio de Janeiro. A Miss Rio Grande Sul tinha 1m70, busto 95cm e quadris 96cm, que foi vaiada porque a preferida era Miss Distrito Federal Leda Brandão Rau. Maria José foi coroada pela Miss Brasil de 1955, Maria Emilia Correa Lima.

Maria José Cardoso na Travessa do Comercio, onde morou Carmen Miranda (Foto: O Cruzeiro)

Maria José Cardoso de traje de gala e maiô dourado (Foto: O Cruzeiro)

Na comissão julgadora estavam, entre outros, Miss Universo de 1930, Iolanda Pereira de Oliveira. Que era gaucha. É bom lembrar que Maria José Cardoso ficou no Top 15, do Miss Universo, cuja vencedora foi a norte-americana Carol Morris. Do alto dos seus 84 anos de idade, pois nasceu no dia 19 de março de 1935, ela morreu quinta-feira. Engraçado que Maria José nasceu em Santa Catarina e morreu em São Paulo, foi casada duas vezes e deixou dois filhos. De gaúcha apenas o titulo.

O Top 5 do Brasil Maria de Jesus Holanda do Ceará, Leda Brandão Rau do Distrito Federal, Luzia Aliete Borges do Pará, Maria José Cardoso, Regina Vieira de São Paulo, e Eli de Arevedo Pires do Estado do Rio (Foto: O Cruzeiro)

Porta Retratos

O traje típico do Mister Itaguaí, Mauricio Andrade, fez sucesso no Mister Rio de Janeiro CNB 2019 (Foto: Instagram)

João Alberto e Dario Busto na festa nacional da Argentina (Foto: Fernando Machado)

Maria José Ferreira e Alizete Maynard no aniversário de Lourdes Barretp (Foto: Fernando Machado)

Tayna Calado e Paulo Augusto Oliveira no aniversário de Tarciso Calado Filho (Foto: Fernando Machado)