Fernando Machado

Blog

Tag sanfona

Anotações do Cotidiano

Nesta terça-feira, no Teatro de Santa Isabel, às 20h, teremos o 18º Encontro de Sanfoneiros do Recife, que relembra o Rei do Baião, Luiz Gonzaga, que nunca cantou o centenário teatro. Os homenageados são Mestre Camarão, Chocho, Beto Hortis, Arlindo Moita, Evandro dos 8 Baixos e Remanso do Forró. Na coordenação o produtor do evento, Marcos Veloso. Os ingressos custam 20 e 10 reais.

sanfoneiros-emaco

Os sanfoneiros diante do Teatro de Santa Isabel (Foto: Emaco)

O presidente do Instituto dos Advogados de Pernambuco, Antonio Mario Pinto, realizou visita institucional ao superintendente da Caixa Econômica Federal de Pernambuco, Paulo Nery, para integração e parcerias destinadas ao pleno cumprimento das funções públicas e sociais das instituições. Com ele o presidente da Comissão da Advocacia de Estado do IAP, Antônio Xavier; e do advogado Antônio Souza.

Os sanfoneiros Dorgival e Luan

sanfona-daniel+Lobo+daniela+castro-luiz+fabiano

Daniel Lobo e Daniel Castro (Foto: Luiz Fabiano)

Sexta-feira, na Arcádia do Paço Alfandega, aconteceu uma noitada puxada pela sanfona. Estamos nos referindo a festa Me Namora, que resultou num grande sucesso. Para se ter uma ideia todos os ingressos foram vendidos. A grande atração foi o poeta Dorgival Dantas, parece que não decepcionou. Ovacionado pelo público, Dorgival empolgou e fez uma apresentação irrepreensível.

sanfona-eduarda-valença-julia-oliveira-luiz-fabiano

Eduarda Valença e Júlia Oliveira (Foto: Luiz Fabiano)

O cantor aproveitou a ocasião para relembrar o sucesso Eis o Meu Coração, compartilhando com o público que compôs a música em Paris, em 2005, se solidarizando com a recente tragédia. Já passava das 3h da manhã quando o paraibano Luan Estilizado subiu ao palco, prometendo uma apresentação até o dia amanhecer. Também acompanhado da sanfona, o forrozeiro manteve a energia da festa.

sanfona-victor-jordão-katarina-magalhães-luiz-fabiano

Victor Jordão e Katarina Magalhães (Foto: Luiz Fabiano)

Notícias da Bahia

A Namoradeira é o tema da decoração do São João no Centro Histórico de Salvador de 2015. Inspirada nas bonecas tradicionais da cultura popular da Bahia, normalmente feitas de cerâmica e colocadas nas janelas das casas, a arte está por todas as partes do local. O Largo do Pelourinho, o Terreiro de Jesus e o Largo do Cruzeiro de São Francisco já estão prontos para o São João. As ruas do entorno também receberam adereços especiais, totalizando 35 mil metros de bandeirolas sustentadas por 5.800m de cabo de aço. O trabalho é assinado por Telma Calheira.

ba-decoração-centro-histórico-sayuri-c-koshima

A decoração do Centro Histórico de Salvador (Foto: Yuri Koshima)

Entre as atividades formativas do III Festival Internacional da Sanfona que acontece entre os dias 14 e 18 de julho, estão as oficinas em sanfona de 120 baixos. Até o dia 17 de julho as inscrições estão abertas no Centro de Cultura João Gilberto, no site www.festivaldasanfona.com.br. O responsável pelas oficinas será Gennaro do Acordeon, sanfoneiro desde os 12 anos de idade. De acordo com o organizador, Wagner Lima, as oficinas tem como objetivo fomentar o conhecimento da sanfona e serão oferecidas duas turmas com vagas limitadas.

Anotações do Cotidiano

Agora será a vez de Alceu Valença mostrar para nós recifenses seu show que percorreu o Brasil. No dia 13 de dezembro, às 23h30, na Praça do Arsenal, no Recife Antigo, Alceu ao lado de Paulo Rafael (guitarra), Tovinho (teclados), Nando Barreto (baixo), Cássio Cunha (bateria) e Lucy Alves (sanfona e voz) cantar seus sucessos e canções de Luiz Gonzaga. Esse espetáculo marca o encerramento de sua turnê que homenageou o Rei do Baião. O show tem entrada franca.

Será, hoje, às 20h, num teatro que Luiz Gonzaga nunca conseguiu cantar que acontece o encerramento do XV Encontro de Sanfoneiros do Recife. Estamos nos referindo ao Santa Isabel. O encontro homenageia o centenário do Rei do Baião. A entrada custa R$ 5,00 (preço único). O produtor Marcos Veloso nos diz que a renda será revertida para os quilombos de Caetés, que sofrem com seca a tão cantada por Gonzaga.