Fernando Machado

Blog

Tag marchinhas

Parabéns, Cristina Vita!

As irmãs Cristina Vita, Luiza Carneiro e Carmen Vita (Foto: Fernando Machado)

Mais de 50 amigas cantaram os tradicionais parabéns para Cristina Vita, quinta-feira, no prestigiado almoço de adesão que as suas amigas promoveram quinta-feira, no The Black Angus, em Boa Viagem. Na coordenação estava Mônica Rios Rodrigues. Depois tivemos corte do bolo grifado pela filha da aniversariante Marina Vita.

Alice Sousa Leão, Eliane Neves Baptista, Germana Monteiro de Carvalho, Tinane Almeida e Rosa Peres (Foto: Fernando Machado)

Alizete Maynard e Sandra Bandeira (Foto: Fernando Machado)

Cristina não quis presentes, cada uma doou 50 reais para a Associação dos Ostomizados de Pernambuco. O DJ Thiago Carvalho apresentou um set-list começando pelas musicas que fizeram sucesso nos anos 70 até 80, mas terminou frevos e marchinhas de carnaval.

Cecilia Lucena de Melo, Célia Moraes, Cristina Vita e Mônica Rios Rodrigues (Foto: Fernando Machado)

Clarinha Dubeux, Cristina Vita e Ângela Maciel (Foto: Fernando Machado)

O primeiro hit foi Máscara Negra de Zé Kéti e Pereira Matos: “Tanto riso, oh quanta alegria / Mais de mil palhaços no salão / Arlequim está chorando pelo amor da Colombina / No meio da multidão”. Na sequencia veio uma música junina “Balancê Ô balancê, balance / Quero dançar com você / Entra na roda, morena, pra ver / Ô balancê, balance”.

Cristina Vita, Germana Monteiro de Carvalho, Mônica Rios Rodrigues e Márcia Carneiro (Foto: Fernando Machado)

Lidia Lopes, Lourdes Barreto, Iara Dubeux, Eliana Lapenda Guerra e Cristina Vita (Foto: Fernando Machado)

Também tivemos Dançando com Ivete Sangalo: “Mamãe vai fazer, papai vai fazer / só falta você / Dançando, dançando, / dançando, dançando / Dançando, dançando, dançando, / Dançando, dançando, dançando, / Dançando, dançando, dançando, dan dan dan dan, dan, dançando / Dance comigo”. Algumas sofrências de Reginaldo Rossi e Despacito.

Márcia Carneiro e Glória Alves (Foto: Fernando Machado)

Rosinha Spinelli e Dora Rangel Moreira (Foto: Fernando Machado)

As marchinhas cariocas fizeram sucesso, principalmente o Hino do Cordão do Bola Preta “Ô Abre Alas, / Que eu quero passar / Eu sou da Lira / Não posso negar / Ô Abre Alas, / Que eu quero passar. / Rosas de Ouro é quem vai ganhar”; “Mamãe eu quero, mamãe eu quero, / Mamãe eu quero mamar! / Dá a chupeta! Dá a chupeta! Dá a chupeta / Dá a chupeta pro bebê não chorar! / Eu tenho uma irmã que se chama Ana: / De tanto piscar o olho já ficou sem a pestana.”

Lourdes barreto, Fátima Maia e Mônica Rios Rodrigues (Foto: Fernando Machado)

Parabéns, Mônica Rios Rodrigues!

Germana Monteiro Carvalho, Elisa Castro, Mônica Rios Rodrigues, Lourdes Barreto e Cristina Vita (Foto: Fernando Machado)

Alice Souza Leão, Rosa Peres e Ana Maria Margolis (Foto: Fernando Machado)

Ao som Amigos para sempre, chegou ontem à tarde ao The Black Angus, a executiva Mônica Rios Rodrigues, e tomou um susto, pois suas amigas Cristina Vita, Elisa Castro, Lourdes Barreto e Germana Monteiro Carvalho, organizaram uma festa surpresa para comemorar o seu aniversário. Ela não agüentou foi as lágrimas. O convite pedia máscaras e todas elas foram ao restaurante, como exigia as coordenadoras. O almoço começou às 13h, mas não teve hora para acabar.

Alizete Maynard, Djamari Pedrosa e Maria José Ferreira (Foto: Fernando Machado)

Ana Carazzai, Eliana Lapenda e Eliane Neves Baptista (Foto: Fernando Machado)

O excelente DJ Thiago Carvalho arrasou nas picapes levando a turma à loucura. Começou como as marchinhas cariocas. “Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô / Mas que calor, ô ô ô ô ô ô / Atravessamos o deserto do Saara / O sol estava quente / Queimou a nossa cara / Viemos do Egito / E muitas vezes / Nós tivemos que rezar / Allah! allah! allah, meu bom allah! / Mande água pra ioiô / Mande água pra Iaiá / Allah! meu bom allah”.

Ana Paula e Silvia Maciel, Mônica Rodrigues e Silvana Maranhão (Foto: Fernando Machado)

Anete Cunha e Laís Monte Teixeira (Foto: Fernando Machado)

Depois tivemos Chiquinha Gonzaga com “Ó abre alas que eu quero passar / Ó abre alas que eu quero passar / Eu sou da lira não posso negar / Eu sou da lira não posso negar / Ó abre alas que eu quero passar / Ó abre alas que eu quero passar / Rosa de ouro é que vai ganhar / Rosa de ouro é que vai ganhar”. E na seqüência Sidney Magal cantando “Eu te amo! / Ooh! / Eu te amo meu amor / Ooh! / Eu te amo! / E o meu sangue ferve / Por você / Ooh! / Eu te amo! / Ooh! / Eu te amo meu amor”.

Célia Gomes de Moraes e Avelina Ferraz (Foto: Fernando Machado)

Germana Monteiro Carvalho e Sandra Bandeira (Foto: Fernando Machado)

E turma enlouqueceu quando o DJ atacou de Despacito e depois o frevo teve sua vez. Como bom pernambucano carnaval começa com Vassourinhas, pois sem Vassourinhas não há Carnaval. E sem Nelson Ferreira, Capiba, Luiz Bandeira e Antônio Maria , para citar estes ícones, é Carnaval Genérico. Mônica em grande tarde, ouviu um coral de 40 vozes, cantar os tradicionais parabéns para você e logo em seguida corte de bolo by Marina Vita.

Joseli Lacerda e Ana Maria Margolis (Foto: Fernando Machado)

Lourdes Barreto e Cristina Vita (Foto: Fernando Machado)

Um Sucesso o Baile do Siri

Cerca de cinco mil foliões entraram em êxtase quando a cantora baiana Daniela Mercury atacou de “Love as suas transas de mel / Rapunzel Rapunzel / Lá no corredor do Borel / Rapunzel Rapunzel / Lá no barracão tem sossego / Passo cedo passo cedo / E dou um grito grão no bololô / E verso nós imenso amor / O amor de Julieta e Romeu / O amor de Julieta e Romeu / Igualzinho o meu e seu / Igualzinho o meu e seu”.

Ricardo Carvalho e afilha Carol (Foto: Fernando Machado)

Paulo Braz e Carla Delgado (Foto: Fernando Machado)

E isso aconteceu, sexta-feira, nos salões do Clube Português do Recife, durante o Baile do Siri na Lata, leia-se Ricardo Carvalho e Paulo Braz. Antes de chegar ao clube luso-brasileiro, passou pelo Clube Batutas de São José, pelo Clube Atlântico Olindense, pela Torre Malakoff, e pelo Cais de Alfândega. E pelo jeito aterrissou no Clube Português do Recife para ficar. O Siri na Lata nasceu nas ladeiras de Olinda em 1976, pelas mãos do jornalista Homero Fonseca.

Jarbas Vasconcelos e Maria Melila (Foto: Fernando Machado)

Sheila Wanderley e João Alberto (Foto: Fernando Machado)

Sempre foi um bloco de jornalistas. E como um siri numa lata, jornalista faz barulho criticando, denunciando, protestando. O nome completo era Bloco Anárquico Armorial Siri na Lata. Nunca teve sede, sócios nem diretoria. As brincadeiras e críticas espirituosas é que faziam a diversão dos sirinianos.E no domingo de Carnaval, todo mundo se reunia num bar à beira-mar de Olinda conhecido como Maconhão para depois subir a ladeira.

Carlos Augusto Costa e Juliana (Foto: Fernando Machado)

Dagoberto Costa, Terezinha Nunes e Antonio Lavareda numa bada indiana by Vilabrequin (Foto: Fernando Machado)

O baile deveria ser dos sirianos, mas foi da galera da Adversidade quem mostrou suas patas. “Cuidado menina não deixa fugir / O siri da lata / Quero ver quem aguenta o rojão / Neste chão, neste sol / Neste frevo até quarta / Não é de ouro / Não é de prata, mas vale um milhão a sua pata / Assegura a imprensa e toda a moçada /Do siri siri do siri na lata / Por isso olho na tampa, na brecha da lata / Na flecha do índio, na ação do pirata / Se o danado fugir / Vai chorar a mulata / Não tem mais / carnaval”.

Gustavo Belarmino de pintor e Giovani Oliveira de soldado (Foto: Fernando Machado)

Ronney Andrade, André Semon e Leonardo Lourenço (Foto: Fernando Machado)

Esse é o refrão da música Siri na Lata composto pelo compositor Carlos Fernando (1938/2013), foi cantado pelos que vivem e respiram o espírito do verdadeiro siriano. O tema deste ano foi Yemanjá, tendo em vista que naquela data era o Dia da Rainha do Mar. A decoração foi assinada Marcos Rodrigues que usou e abusou do azul. Do alto do salão repousava uma figura de Yemanjá. Este ano a festa começou uma hora antes das anteriores: às 23h.

Silvio Meira e Katia Betmann (Foto: Fernando Machado)

Tulio Gadelha, Mônica Lavareda e Hugo Souza (Foto: Fernando Machado)

O cantor Almir Rouche foi o primeiro a subir no palco e incendiou os foliões, cantando frevo e depois a memoráveis marchinhas dos carnavais cariocas. Começou com Antonio Maria “Ô ô ô saudade / Saudade tão grande / Saudade que eu sinto / Do Clube das Pás, do Vassouras / Passistas traçando tesouras / Nas ruas repletas de lá / Batidas de bombos / São maracatus retardados / Chegando à cidade, cansados, / Com seus estandartes no ar. / Que adianta se o Recife está longe / E a saudade é tão grande / Que eu até me embaraço / Parece que eu vejo / Valfrido Cebola no passo / Haroldo Fatias, Colaço / Recife está perto de mim”.

Giselle, Mary Brazil e Tallita d’Menezes de Oxum (Foto: Fernando Machado)

Luiz Hermano, Gustavo Costa e Leo Silva (Foto: Fernando Machado)

E Almir sabe que sem Capiba não o Carnaval não existe: “Madeira do Rosarinho / Vem à cidade sua fama mostrar / E traz com seu pessoal / Seu estandarte tão original / Não vem pra fazer barulho / Vem pra dizer e com satisfação / Queiram ou não queiram os juízes / O nosso bloco é de fato campeão / E se aqui estamos, cantando essa canção / Viemos defender a nossa tradição / E dizer bem alto que a injustiça dói / Nós somos madeiras de lei que cupim não rói”.

Pryscila e Felipe Daniel Miranda (Foto: Fernando Machado)

Fernando Medicis e Elizabete (Foto: Fernando Machado)

Depois ele atacou de “Ó abre alas / Que eu quero passar / Ó abre alas / Que eu quero passar / Eu sou da Lira / Não posso negar”. “Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero / Mamãe, eu quero mamar / Dá a chupeta, dá a chupeta / Dá a chupeta pro bebê não chorar / Dorme, filhinho do meu coração / Pega a mamadeira e vem entrar no meu cordão / Eu tenho uma irmã que se chama Ana / De piscar o olho já ficou sem a pestana”.

Márcio Costa e Anderson Carlos (Foto: Fernando Machado)

Clara Carvalho, Sarah Malta, Alicia Regina e Maria Julia Benning (Foto: Fernando Machado)

Depois a Bateria do GRES Preto Velho aprontou com os sambas. E assim se passou mais uma prévia de Carnaval com ingredientes de sucesso. E sai do clube cantarolando “Falam tanto que meu bloco está, / dando adeus pra nunca mais sair. / E depois que ele desfilar, do seu povo vai se despedir. / Do regresso de não mais voltar, /
suas pastoras vão pedir: / Não deixem não, que o bloco campeão, / guarde no peito a dor de não cantar. / Um bloco a mais é um sonho que se faz / o pastoril da vida singular. / É lindo ver o dia amanhecer, / ouvir ao longe pastorinhas mil, / dizendo bem, que o Recife tem, /
o carnaval melhor do meu Brasil”.

Parabéns, Cristina Vita!

Maria Clara Dubeux, Cristina Vita e Angela Maciel (Foto: Fernando Machado)

Tinane Almeida, Rosa Peres e Alice Souza Leão (Foto: Fernando Machado)

A executiva Cristina Vita deu uma prova de que é muito querida. O almoço de adesão que aconteceu quinta-feira, no The Black Anus, em Boa Viagem, foi muito concorrido e prestigiado. O encontro foi coordenado por Mônica Rios Rodrigues. Cristina recebia as amigas num deux – pièces criado por ela própria. O DJ Thiago Carvalho apresentou um set-list que deixou todas em estado de graça.

Alizete Maynard e Maria José Ferreira (Foto: Fernando Machado)

Dj Thiago Carvalho e Cristina Vita (Foto: Fernando Machado)

As marchinhas cariocas deram o tom da festa. Começou com “Chiquita Bacana lá da Martinica / Se veste com uma / Casca de banana nanica. / Não usa vestido, não usa calção; / Inverno pra ela é pleno verão”, depois veio “Mamãe eu quero, mamãe eu quero, / Mamãe eu quero mamar! / Dá a chupeta! Dá a chupeta! Dá a chupeta / Dá a chupeta pro bebê não chorar! / Dorme filhinho do meu coração! / Pega a mamadeira e entra no meu cordão. / Eu tenho uma irmã que se chama Ana: / De piscar o olho já ficou sem a pestana”.

Bernardete Correia e Vânia Coutinho (Foto: Fernando Machado)

Eliana Lapenda Guerra e Ana Carazzai (Foto: Fernando Machado)

– “As águas vão rolar / Garrafa cheia eu não quero ver sobrar / Eu passo mão na saca saca saca rolha / E bebo até me afogar / Deixa as águas rolar / Se a polícia por isso me prender / Mas na última hora me soltar / Eu pego o saca saca saca rolha / Ninguém me agarra ninguém me agarra”. E como não poderia “Ô Abre Alas, / Que eu quero passar / Eu sou da Lira / Não posso negar / Ô Abre Alas, / Que eu quero passar. / Rosas de Ouro é quem vai ganhar”.

Germana Monteiro Carvalho e a filha Leticia (Foto: Fernando Machado)

Gloria Alves, Cristina Vita e Djamari Pedrosa (Foto: Fernando Machado)

Claro que no repertório tinha Despacito, Madeira que cupim não rói, Voltei Recife, Evocação º 1 e outras musicas que marcaram os carnavais de muitas convidadas. Tivemos os tradicionais parabéns para você cantados por um coral de 50 vozes e corte do bolo by Marina Vita, filha de Cristina. Entre as presenças destacamos Alizete Maynard, Gloria Alves, Ana Carazzai, Elisa de Castro, Lourdes Barreto, Alice Souza Leão, Thereza Bitu Canuto, Djamari Pedrosa, Tinane Almeida, Rosa Peres, Sandra Bandeira.

Jussara Lemos, Alice Souza Leão, Lourdes Barreto e Sonia Fernandes (Foto: Fernando Machado)

Márcia Carneiro e Eliane Pompeu (Foto: Fernando Machado)

Ainda Jussara Lemois, Angela Maciel, Arabie Carvalho de Melo, Cristina Moraes Mena Barreto, Suzana Coelho, Ladjane Porto, Maria do Carmo Monte, Andrea Bello, Niobe Falangola, Maria Clara Dubeux, Avelina Ferraz, Carminha Jaroslavsky, Bernadete Correia, Vania Coutinho, Eliana Lapenda Guerra, Germana e Leticia Monteiro de Carvalho, Jussara Lemos e Sonia Fernandes, Marcia Carneiro, Eliane Pompeu e Zenia Vilarim.

Sandra Bandeira e Jussara Lemos (Foto: Fernando Machado)

Thereza Bitu Canuto, Zenia Vilarim, Elisa Castro e Mônica Rios Rodrigues (Foto: Fernando Machado)

  • 1 2