Fernando Machado

Blog

Tag bailes

De Volta para o Passado

Clube Alemão (Foto: Diário da Manhã)

Jockey Clube (Foto: Diário da Manhã)

Há 85 anos, começava o Carnaval. Com os bailes do Clube Alemão e do Jockey Clube. O traje era rigor, branco ou fantasia.

Há 85 anos, nascia no Rio Grande do Sul, o radialista Renato Canini (Zé Carioca), que morreu no dia 30 de setembro de 2013.

O general Mascarenhas de Moraes e o interventor Agamenon Magalhães no Carnaval do Internacional em 1941 (Foto: Diário da Manhã)

O Bal Masqué do Internacional no sábado gordo no Carnaval de 1941 (Foto: Diário da Manhã

Há 80 anos, começava o Carnaval. O do Clube Internacional teve decoração de Lula Cardoso Ayres e o tema foi Rainha do Maracatu. Orquestra da PRA 8, regida por Nelson Ferreira e Ulysses e seu Bando. O do Português, o tema foi Reino da Alegria, decoração de Benoni e Petrus Camara.

Há 60 anos, morria em Pernambuco, o sargento da PMPE Antonio Cajueiro de Albuquerque (Velho Cajueiro), que lutou contra o cangaço, e nasceu em 1876.

 

O Carnaval Inesquecível de Zezita Barbosa

Apesar de ter casado com um grande compositor de frevo, Capiba (1904/1997), a viúva Zezita Barbosa não é foliona. Todavia relembra que os melhores carnavais de sua vida foram aqueles da do governador Nilo Coelho, entre 1967 e 1971. “Maria Teresa e Nilo nos apanhavam em casa para curtir o Carnaval. Ele era um grande folião. Íamos para a Avenida assistir aos desfiles de blocos e escolas de samba. Nilo gostava da Escola de Samba Estudantes de São José”.

Capiba e Zezita Barbosa (Foto: Divulgação)

Zezita prossegue: “depois íamos jantar e em seguida nos deslocávamos para os bailes dos Clubes Internacional e Português. Estes foram para mim meus carnavais inesquecíveis. Tinha corso que era uma maravilha. Era permitido lança perfume e mela-mela. Como os jornais da época criticavam o jogar água nos foliões, escreviam que o Pronto Socorro, lotado de pessoas quase cegas por conta da água suja que os marginais jogavam nos olhos das pessoas.

Zezita Barbosa uma figura humana maravilhosa (Foto: Fernando Machado)

Então Nilo Coelho foi até o Pronto Socorro para testemunhar essa maldade. Ao chegar lá não encontrou nenhuma vitima cega e sim muita gente esfaqueada, outras vitimas de tiros. “Os carnavais de antigamente eram lindos demais e com uma violência muito pequena, confessa. E encerra lembrando a musica de Capiba: “Quando a vida é boa / Não precisa ter pressa / Até quarta-feira / A pisada é essa / Pra que vida melhor / Fale quem tiver boca / Eu nunca ví coisa assim / Oh! Que gente tão louca”.

Parabéns, Banda de Musica da PMPE!

Capitão Zuzinha, José Lourenço da Silva (Foto: Divulgação)

Hoje, a Banda de Música da PMPE completa 144 anos de fundação. Ela foi instituída oficialmente em 5 de novembro de 1873, com o objetivo de atender as solenidades da Corporação. Em 1892 surgia a figura de Mestre de Musica e de Corneteiro-mor no I Batalhão de Infantaria Estadual. No fim do ano de 1900 havia uma Banda para cada Corpo de Policia. Atualmente é intitulada Banda de Música Capitão Zuzinha em homenagem a um dos melhores – se não o melhor – regentes da sua história.

Capitão Zuzinha e a banda da PMPE (Foto: Livro de Marilourdes Ferraz sobre a Banda)

A Banda de Música da PMPE é fator preponderante de comunicação social entre a Corporação e a sociedade civil, dados aos seus relevantes serviços de abrilhantamento às solenidades militares e às diversas festas culturais do nosso Estado, onde se destacam as procissões, as retretas, os desfiles cívicos e militares dentre tantos outros. A Banda de Musica da Policia Militar também cumpre uma agenda bastante cheia, quando lembramos solicitações para bailes.

Capitão Zuzinha dirigindo o Orfeão da Brigada em agosto de 1937 (Foto: Diário da Manhã)

Fernando Mendes & Alepe  

Fernando Mendes em tempo de homenagens (Foto: Henrique Genecy)

O cantor e compositor mineiro Fernando Mendes foi homenageado, na noite de quinta-feira, em Reunião Solene na Assembleia Legislativa, pelos 45 anos de carreira. A solenidade, de autoria do deputado Zé Mauricio, contou com a presença de fãs do artista, que compareceram ao Plenário do Museu Palácio Joaquim Nabuco. A cerimônia foi presidida pelo deputado Antônio Moraes. O primeiro contato do cantor com a música se deu aos 15 anos, quando ele ganhou um violão do pai.

O deputado Zé Marques aplaudindo Fernando Mendes (Foto: Henrique Genecy)

Aos 17, formou um conjunto musical chamado Blue Boys, que se apresentava em bailes e festas. Após se mudar para o Rio de Janeiro, em 1972, iniciou oficialmente sua carreira e, no ano seguinte, gravou o primeiro sucesso A desconhecida, ponto de partida para que conquistasse o público de todo o País. Zé Maurício agradeceu o carinho de Fernando Mendes por Pernambuco. O cantor recebeu uma placa comemorativa da Alepe. Ao final da reunião, Fernando cantou algumas de suas músicas.

Fernando Mendes dando uma canja (Foto: Henrique Genecy)

  • 1 2 4