Fernando Machado

Blog

Pausa Poética

“Tua memória, pasto de poesia, / tua poesia, pastos dos vulgares, / vão se engastando numa coisa fria / a que tu chamas: vida, e seus pesares”. Carlos Drummond de Andrade (1902/1987)

0

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.