Fernando Machado

Blog

Miss Brasil 2018: Uma noite sem glamour   

Teresinha Morango e Mayra Dias (Fotos: O Cruzeiro / Concurso)

O concurso de Miss Brasil 2018  realizado sábado, à noite, no Riocentro, no Rio de Janeiro, lembrava um velório. Dos maiôs aos vestidos tudo era preto. Essa coordenação tem um complexo de luto. A faixa que a vencedora recebeu era cor de hepatite. O evento  serviu como a atração do encerramento da convenção anual da Polishop, por isso tinha um grande publico. Não é mais concurso de beleza e sim de empoderamento, de atitude, etc. A abertura do concurso sem glamour, as roupas nem quero lembrar, de tão feias. Era tanto desafio que terminei me cansando.

Martha Vasconcelos destronou todas as jovens candidatas (Foto: Concurso)

Somente o assisti por conta da homenagem à Martha Vasconcellos, por sinal muito chinfrim. A Miss Universo de 1968 merecia mais pompa e circunstância. Era para Marta ser a presidente ou ter participado da comissão julgadora, como acontece no Miss Universo. O host Cássio Reis, muito elegante chamou o Top 15: Teresa Santos (Ceará), Giovanna Veríssimo (Goiás), Elis Miele (Minas Gerais), Monique Rêgo (Rio Grande do Norte), Maria Isabel Santos (Bahia), Paula Palhares (São Paulo), Eslovênia Marques (Pernambuco), Débora Silva (Santa Catarina), Isabella Burgui (Alagoas), Sabrina Stock (Espírito Santo), Ana Carla Medeiros (Paraíba), Naiely Lima (Piauí), Bia Rodrigues (Distrito Federal), Leonora Weimer (Rio Grande do Sul) e Mayra Dias (Amazonas).

O top 10 e suas fantasias para o desfile de traje de banho (Foto: Concurso)

O grupo desfilou de maiô (as peças estavam bonitas), pois as 12 restantes foram para a geladeira. Cada candidata mais afetada do que a outra. Até adeusinho algumas deram. Na seqüência aconteceu o desfile de biquíni agora com o Top 10. E depois tivemos o desfile de traje de gala, todos vestidos pretos, grifados por Ivanildo Nunes, estavam bonitos. A cartela de cores era terrível.

O Top 15 de maiô preto deu um toque de elegância às candidatas (Foto: Concurso)

No Top 10 ficaram Débora Silva (Santa Catarina), Mayra Dias (Amazonas), Naiely Lima (Piauí), Isabella Burgui (Alagoas), Teresa Santos (Ceará), Monique Rêgo (Rio Grande do Norte), Eslovênia Marques (Pernambuco), Maria Isabel Santos (Bahia), Paula Palhares (São Paulo) e Giovanna Veríssimo (Goiás). E as cinco finalistas foram Débora Silva (Santa Catarina), Mayra Dias (Amazonas), Isabella Burgui (Alagoas), Maria Isabel Santos (Bahia) e Teresa Santos (Ceará).

O top 10 de biquíni  (Foto: Concurso)

Depois de muito blá blá blá saiu o resultado final. Em 3º Lugar Teresa Santos do Ceará, em 2º lugar Maria Isabel Santos da Bahia e em primeiro lugar Mayra Dias do Amazonas. Uma jornalista morena de 1m75 de altura e a mais velha das 27 candidatas participantes, 26 anos. A primeira Miss Amazonas eleita Miss Brasil foi Teresinha Morango, em 1957, tempos dos anos dourados. Teresinha era linda demais. Mayra não é nenhuma Brastemp, quando ri, a sua gengiva fica à mostra e não tem cintura definida.

Mayra Dias já coroada para receber os abraços, alguns de tamanduás, das colegas (Foto: Concurso)

Na verdade o nível das concorrentes não era fraco. O concurso de Miss Estados Unidos foi muito superior em tudo. Outro desastre foi discurso da Miss Brasil de 2017, Monalysa Alcantara. Pela primeira vez vi uma miss falar de forma tão deselegante numa despedida de concurso. Agora vamos ter que aguentar os seus fãs dizerem que ela será a nova Miss Universo.

3
1 Discussion on “Miss Brasil 2018: Uma noite sem glamour   ”

Deixe uma resposta para marilia C Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.