Fernando Machado

Blog

A História da Fratelli Vita no Recife

Nem mesmo a grandeza do tempo obscureceu, porque conseguiu uma fama tão intensa que chegou aos dias atuais e agora mais ainda porque será lançado um livro virtual sobre o assunto. No dia 3 de dezembro de 1913 temos o inicio de suas atividades no Recife. Era o período da belle époque brasileira. Alcançou os anos dourados. São coisas que somente florescem uma vez na vida. Somente quem viveu nesta época bebeu esse um guaraná que era tudo de bom. Pois bem, o pesquisador Gustavo Arruda, era criança quando a fábrica fechou, mas deve ter tido o privilégio de bebe-lo e por isso escreveu um livro que aconselho. A cada página senti aquele gostinho do guaraná.

francisco-vita

Francisco Vita fundador da fabrica Fratelli Vita no Recife (Foto: Acervo de Cristina Vita)

Sem dúvida, um livro marcante para pessoas ávidas de conhecimentos, pois vale a pena saber tudo que se passou no Recife de Antigamente, aliás Gustavo Arruda tem um blog que escreve somente sobre estas coisas, estamos nos referindo ao www.facebook.com/gustavo.arruda3. O nome da sua obra é A História da Fratelli Vita no Recife, onde tenta explicar como “uma extinta fábrica local de refrigerantes consegue ser lembrada até hoje, mais de 100 anos após sua chegada na capital pernambucana. São 80 anos de lendas e curiosidades de uma trajetória rica e apaixonante, agora finalmente revelada em detalhes, incluindo mais de 90 fotos raras”.

f-fabrica-da-soledade-acervo-de-luis-carvalheira-mendonça

A sede da fábrica da Fratelli Vita na Soledade, antes era na Rua da Imperatriz (Foto: Acervo de Luiz Carvalheira Mendonça)

Em 1941, a Coca-Cola, maior companhia de refrigerantes do mundo, instalou no Recife a sua primeira fábrica do Brasil. Entretanto, ela não esperava encontrar na Capital do Frevo a forte concorrência de uma marca regional, o Guaraná Fratelli Vita, que não conseguiu superar em vendas até deixar de ser produzido em 1972. E, mais de 40 anos depois, a marca Fratelli Vita ainda é forte no Nordeste, como sinônimo de “qualidade”. A História da Fratelli Vita no Recife, do escritor e colecionador de fotos antigas do Recife Gustavo Arruda é baseado em documentos e informações de uma minuciosa pesquisa, durante dois anos, em bibliotecas, fundações, institutos, jornais, museus, arquivos públicos, universidades e de antigos empregados, familiares e contemporâneos da extinta fábrica da Soledade.

capa-gustavo

A capa do livro e o seu autor Gustavo Arruda (Fotos: Reprodução e Graça Arruda)

E como tudo começou em Salvador, na Bahia, o livro também traz fatos interessantes sobre a história da terra do Senhor do Bonfim, tais como: A chegada do Frevo no centro soteropolitano, a criação do primeiro trio elétrico do Brasil e a famosa fábrica dos cristais baianos. Gustavo não fará lançamento ou venda em livrarias convencionais, apenas virtual, via seu Facebook. O livro custa 28 reais + o frete. Portanto a partir de 25 de abril, das 20h às 21h, teremos o seu lançamento virtual, pelo face, com direito a bate-papo aberto com o autor. O livro pode ser comprado pela Internet, neste endereços: www.gustavo.k6.com.br, gtarruda@pop.com.br ou pelos telefones (81) 3031-5179 e 9870-6144 (TIM e WhatsApp).

5
3 Discussions on
“A História da Fratelli Vita no Recife”
  • Como faço para adquirir um exemplar do livro? Vi no JC que estaria disponível neste site, mas não vislumbrei como devo proceder. Tenho nítidas e agradáveis memórias da fábrica aqui em Recife, pois meu pai, engenheiro civil, fez uma reforma no prédio, lá pelos idos da década de 1950, contratado pelo Sr. Miguel Vita. Eu era pequeno e ele me levava junto alguns vezes. Lembro-me que ele era presenteado com grades de guaraná e eu me fartava, pois adorava o refrigerante e até hoje tenho saudade. Nunca mais fizeram nada tão gostoso e é uma pena que a Brahma não tenha utilizado a fórmula.

  • Como o guaraná pode ter deixado de ser fabricado em 1972, se eu nasci nesse ano e lembro de ter tomado fratelli na minha infância?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.