Fernando Machado

Blog

Tag pianista

De Volta para o Passado

Há 125 anos, morria na França, o compositor Charles Gounod, que nasceu no dia 17 de junho de 1818.

Há 120 anos, nascia no Rio de Janeiro, o dramaturgo Joracy Camargo, que morreu no dia 11 de março de 1973.

Há 95 anos, nascia no Rio de Janeiro, o preparador físico Paulo Amaral, que morreu no dia 1 de maio de 2008.

Há 85 anos, a bordo do Zeppelin, chegava ao Recife, o cientista alemão Ludwig Fraenkal. Visitou a maternidade do Recife, acompanhado dos professores Arsenio Tavares e Ernesto Roesler. Veio com a mulher Lili Fraenkal.

Noelza, Gilda, Maria Helena, Katia e Neusa (Foto: Mundo Ilustrado)

Há 60 anos, Lea Pabst e Violeta Botelho participavam do Miss Elegante Bangu do Brasil de 1958, no Copacabana Palace. A eleita foi Maria Helena Quirino (Araraquara), 2 – Katia Valadares (Bahia), 3 Neusa Caminha (Mossoró RN), em 4 – Gilda Grillo (Flamengo) e 5º Noelza Abreu Guimarães (Caiçaras Rio).

Há 40 anos, morria no Rio de Janeiro, o dramaturgo Zbigniew Ziembenski, que nasceu no dia 7 de março de 1908.

Há 35 anos, morria em Pernambuco, a pianista Tia Amélia Brandão, que nasceu no dia 25 de maio de 1897.

Há cinco anos, morria em Pernambuco, o dramaturgo Vital Santos, que nasceu no dia 25 de setembro de 1945.

Fatos Diversos

No próximo domingo, acontecerá a I Corrida Brigadeiro Eduardo Gomes, em homenagem ao Patrono da Força Aérea Brasileira. O evento que faz parte das comemorações alusivas ao Mês da Asa, notadamente àqueles que ocorrerão na cidade do Recife, até o próximo dia 26.

Amanhã, às 9h, temos vernissage da exposição Criador & Criatura, coordenado na Galeria de Arte B-612, fica Ribeira. A parte musical é com o pianista Edson Rodrigues. Participam da mostra Djalma Paixão, Everaldo Porciúncula, Ivo Maia, Jordão Arimatéia e Tiago Vicente.

Julio Braga: Um nome que a história guardou

Há 25 anos, morria no Recife, Júlio Braga, pianista e compositor. Ele nasceu em Olinda, no dia 24 de abril de 1918. Era filho primogênito de Pedro Affonso da Silva Braga e Branca Faria da Silva Braga. Aos oito anos compôs sua primeira peça e aos dez fez seu primeiro concerto no Teatro Santa Isabel, no Recife. Júlio Braga estudou no Conservatório Pernambucano de Música e foi dedicado discípulo do reconhecido professor e pianista Manuel Augusto dos Santos. Já na década de 1930 realizava concertos por vários estados do país.

O notável pianista e compositor Julio Braga (Foto: Divulgação)

Em 1948, venceu o Concurso Philips da Holanda, realizado no Rio de Janeiro, por unanimidade entre os pianistas brasileiros, o que lhe abriu as portas para os concertos internacionais. Recebeu como prêmio uma viagem a Europa e do Governo Pernambucano, na época, Barbosa Lima Sobrinho, uma bolsa de permanência para aperfeiçoar seus estudos em Paris. Realizou concertos na França, Holanda, Inglaterra. Em seguida, apresentou-se na Venezuela, Porto Rico, Trinidad e Tobago e Estados Unidos, sempre recebendo as críticas mais favoráveis.

Julio Braga adolescente e adulto (Fotos: Acervo da Família)

Foi excelente intérprete de Bach, Mozart, Chopin, Claude Debussy, Prokofiev, Brahms, Schumann, Weber e, claro, Heitor Villa-Lobos. Além desse consagrado compositor, Júlio Braga sempre fez questão de incluir em seus concertos outros grandes compositores brasileiros, divulgando, assim, a boa música nacional em outros países. Suas atuações mais marcantes, no exterior, foram, sem dúvida, a do dia 25 de novembro de 1948, na Maison Gaveau, em Paris e a de 19 de julho de 1959, no Carnegie Hall, em Nova Iorque, onde apresentou, entre os clássicos costumeiros, o seu Allegro Apassionato.

O pianista Julio Braga em dois momentos de música erudita (Fotos: Acervo da família)

Ainda pelos Estados Unidos incluiu concertos no Carl Fischer Concert Hall e no Steinway Hall, ambos em Nova Iorque, além de apresentações na Florida e em Washington, DC, com elogiosa repercussão na imprensa. Durante alguns anos Júlio Braga foi lembrado e homenageado nos Concertos Olindenses, realizados na data de sua morte, com o apoio da Prefeitura de Olinda. Nessas ocasiões, sua música foi executada pela grande pianista pernambucana, Graciéte Câmara Quadros, sua amiga fraterna. O texto foi escrito pela professora de musica, Gedeane Costa.

De volta para o passado

Há 185 anos, entrava em vigor no Brasil a moeda Mil Reis, que era pataca, até 31 de outubro de 1942.

Há 155 anos, nascia no Maranhão, o compositor Catulo da Paixão Cearense, que morreu no dia 10 de maio de 1946.

Há 110 anos, nascia na Ucrânia, o empresário da comunicação Adolfo Bloch, que morreu no dia 19 de novembro de 1995.

Há 90 anos nascia em São Paulo, o compositor Paulinho Nogueira, que morreu no dia 2 de agosto de 2003.

Há 85 anos, acontecia no Derby, o I Campeonato de Atletismo, promovido pela Faculdade de Medicina. Venceu Medicina com 70 pontos, em 2º Direito com 41 pontos, em 3º Agronomia com 34 pontos, em 4º Engenharia com 14 pontos e 5º Escola de Comercio com 1 ponto.

Há 80 anos, nascia em Pernambuco, o líder político Fernando Soares Lyra, que morreu no dia 14 de fevereiro de 2013.

Há 75 anos, nascia em Pernambuco, o pesquisador de futebol Carlos Celso Cordeiro, que morreu no dia 24 de janeiro de 2016.

Há 70 anos, era encerrado o Congresso de Cantadores Nordestino, no Teatro de Santa Isabel. Os vencedores foram Dimas e Fonseca. Participaram também Lourival Batista, Pinto, Otacilio e Grangeiro.

Há 60 anos, morria no Vaticano, o Papa Pio XII, que nasceu no dia 2 de março de 1876.

Há 60 anos, se apresentava no Teatro de Santa Isabel, o pianista húngaro Bela Siki.