Fernando Machado

Blog

Tag cinema

Fatos Diversos

As inscrições para o CINE PE 2019 previsto para acontecer de 28 de maio a 3 de junho, no Cinema São Luiz, recebeu 892 inscrições de curtas e longas-metragens para as mostras competitivas, um crescimento de 77,33% em relação ao número de 2018, que foi de 503 filmes. Informa a diretora Sandra Bertini.

A exposição Quando a vida é uma euforia, da artista gráfica Joana Lira, cujo tema é a cenografia criada por ela, exclusivamente para o Carnaval do Recife, ao longo de dez anos, segue até o próximo dia 17, no Centro Cultural Cais do Sertão. Nesta quinta-feira, às 16h, temos uma roda de conversa, com Joana Lira, e a curadora Mamé Shimabukuro.

Pausa poética

“O papel mais difícil que já enfrentei foi o de amadurecer”. Elizabeth Taylor (1932/2011)

 

De volta para o passado

Há 115 anos, Luiz de França Costa era eleito presidente do Clube Misto Espanadores.

Há 85 anos, morria em Pernambuco, o usineiro João Cavalcanti de Petribu, que nasceu no dia 22 de setembro de 1868.

Há 65 anos, transitavam pelo Aeroporto do Ibura, via Panair, com destino a São Paulo, Errol Flynn e a mulher Patrice Wymose, Jane Russel e Anne Baxter, a fim de participar do I Festival de Cinema do Brasil.

Há 15 anos, morria em Pernambuco, aos 51 anos, a jornalista Wilma Lessa.

Há 10 anos, morria no Rio de Janeiro, a atriz Ida Gomes, que nasceu no dia 25 de setembro de 1926.

 

Carmen Miranda: A Pequena Notável

“Taí, eu fiz tudo p’rá você gostar de mim / Ah! meu bem, não faz assim comigo não! / Você tem, você tem que me dar seu coração! / Meu amor não posso esquecer / Se dá alegria faz também sofrer / A minha vida foi sempre assim / Só chorando as mágoas que não têm fim / Essa história de gostar de alguém / já é mania que as pessoas têm / Se me ajudasse Nosso Senhor / eu não pensaria mais no amor”. Parece que foi ontem, que  a gente ouvíamos a Pequena Notável, ao vivo cantando esta musica de Joubert de Andrade, mas não foi.

O que é Carmem Miranda tem (Foto: Divulgação)

Há 110 anos nascia em Portugal, a cantora que colocou o Brasil no mapa musical do mundo. Estamos no referindo a cantora portuguesa radicada no Brasil Carmen Miranda, (Maria do Carmo Miranda Cunha), que aos 46 anos nos deixou para se tornar imortal. Tai, de Joubert de Carvalho, em 1930 bateu todos os recordes de vendas, ultrapassando a marca de 36 mil cópias. A música alcançou uma popularidade tão grande que, em menos de seis meses, Carmen Miranda era a cantora mais famosa do Brasil. Em 1939, na comédia musical Banana da TerraCarmen Miranda surge pela primeira vez caracterizada de baiana, personagem que a lançou internacionalmente.

Carmen na sua casa de Hollywood e numa clássica pose para os fãs (Fotos: Divulgação)

O filme apresentava clássicos como O que é que a baiana tem, de Dorival Caymmi. “O que é que a baiana tem? / O que é que a baiana tem? / Tem torso de seda tem / Tem brinco de ouro tem / Corrente de ouro tem / Tem pano da Costa tem / Tem bata rendada tem / Pulseira de ouro tem / E tem saia engomada tem / Tem sandália enfeitada tem / E tem graça como ninguém…! / Como ela requebra bem…! / Quando você se requebrar caia / por cima de mim / Só vai no Bonfim quem tem… / Ai, quem não tem balangandãs / não vai no Bonfim / O que é que a baiana tem?”

Essa baiana portuguesa conquistou o Brasil e o mundo (Fotos: Divulgação)

Quando em temporada no Cassino da Urca, no Rio de Janeiro, foi contratada pelo o magnata do show business norte-americano Lee Shubert, para ser uma das atrações do espetáculo The Streets of Paris, na Broadway. E ao cantar “Mamãe, eu quero, mamãe, eu quero / Mamãe, eu quero mamar! / Dá a chupeta, ai, dá a chupeta / Dá a chupeta pro bebê não chorar! / Dorme, filhinho do meu coração / Pega a mamadeira e vem entrar no meu cordão / Eu tenho uma irmã que se chama Ana / De piscar o olho já ficou sem a pestana”, se transformou The Brazilian Bombshell.

Alice Faye, Don Ameche e fantástica Carmen Miranda (Foto: Divulgação)

Em 1940, Carmen estreia no cinema com o filme Serenata Tropical, ao lado de Don Ameche e Betty Grable. Seu guarda-roupa exótico e o sotaque latino tornaram-se suas marcas registradas. No mesmo ano, foi eleita a terceira personalidade mais popular nos Estados Unidos, além de ser convidada para se apresentar o Bando da Lua, para o presidente Franklin Roosevelt. E quanto interpretou: “Tico-tico / Tico-tico / O tico-tico tá / Tá outra vez aqui / O tico-tico tá comendo meu fubá / O tico-tico tem, tem que se alimentar / Que vá comer umas minhocas no pomar”, com seus trejeitos, seus adereços, seus balangandãs, incendiaram a Casa Branca.

Carmen Miranda vestida de baiana estilizada e dando adeus ao Brasil (Fotos: Divulgação)

Em junho de 1946, Carmen Miranda foi considerada a mulher mais bem paga na terra de Barack Obama, para alguns do mundo. Atuou em 14 filmes em Hollywood entre 1940 e 1953. Somente a II Guerra Mundial tirou um pouco da sua popularidade. Foi ela quem abriu caminho para a cultura latina. Carmen Miranda foi a primeira artista latino-americana a imprimir suas mãos e pés no pátio do famoso Grauman’s Chinese Theatre, em 1941. E não ficou por ai, foi a primeira sul-americana a ter uma estrela na Calçada da Fama.

Essa sabia dar pinta como ninguém (Foto: Divulgação)

Carmen que é considerada a precursora do tropicalismo no Brasil. Em 20 anos de carreira gravou 279 discos no Brasil e mais 34 nos EUA. Em setembro de 1998 um trecho de Hollywood, virou Carmen Miranda Square, e não é por acaso que até hoje, nenhum artista brasileiro teve tanta projeção internacional como ela. Este blog estende o tapete vermelho para Carmen Miranda um icone e uma musa gay. E encerro com “Vestiu uma camisa listrada / E saiu por aí / Em vez de tomar chá com torrada / Ele bebeu Parati / Levava um canivete no cinto / E um pandeiro na mão / E sorria quando o povo dizia / Sossega, Leão, sossega Leão”. Carmen foi cantar no céu no dia 5 de maio de 1955.