Fernando Machado

Blog

Tag direitos

Nos bastidores da Política

Nenhum integrante da Rede Estadual de Direitos Humanos esteve no Aeroporto Internacional dos Guararapes para receber ou se despedir da blogueira cubana Yoani Sánchez. Estranho, não?

O grande expediente de hoje, às 10h, da Assembléia Legislativa de Pernambuco, será dedicado aos 99 anos de fundação do Santa Cruz Futebol Clube. A proposta é do deputado Sebastião Oliveira.

Dom Fernando Saburido brilha no João Canuto

O arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido, em breve palavras disse tudo que os outros premiados falaram, mas de uma forma sutil, na festa da entrega do Premio João Canuto. O evento realizado na Universidade Federal do Rio de Janeiro aconteceu ontem à noite, reunindo o creme-de-la-crema dos direitos humanos no Brasil.


Italo Rocha, Dom Fernando Saburido e a diva da imprensa Jô Mazzarolo (Foto: Fernando Machado)

Dom Fernando Saburido começou seu discurso lembrando Dom Vital, Dom Helder Camara e o Padre Henrique. Com isso ele resumiu tudo que o Movimento Humanos Direitos, leia-se a diretora geral Dira Paes, que remete à promoção dos Direitos Humanos. O Dom dos Direitos Humanos com aquele sorriso de quem somente tem intimidade com os céus, concluiu: “Fiquei feliz, pois todos que falaram mostraram nossa Igreja como elo nos Direiros Humanos.”


Padre Ricardo Rezende, atriz Priscila Camargo e o ator Eduardo Tornaghi (Foto: Fernando Machado)

A solenidade foi organizada por Salete Hallack, tendo como coordenadores artísticos Eduardo Tornaghi e Priscila Camargo. A apresentação foi de Dira Paes. Durante o show tivemos a participação especial de Bete Mendes, Gilberto Miranda, Leticia Sabatella, Marcos Winter e Osmar Prado. Nesta 9ª edição do Prêmio, Valdinei Arruda, Comissão Estadual pela Erradicação do Trabalho Escravo do Estado do Mato Grosso, lançou o Premio de Jornalismo Dom Pedro Casaldáliga. Com direito a um vídeo do sacerdote.


A atriz e diretora geral do MHuD Dira Paes (Foto: Fernando Machado)

Também tivemos a entrada de oito artistas com instrumentos musicais indígenas numa coreografia que encantou o público. Além de muitos cariocas tivemos caravanas do Distrito Federal, Mato Grosso, Pará e Pernambuco. A nossa perdeu apenas em quantidade os paraenses. Entre a entrega de um premio e outro os artistas leram fragmentos escritos por Frei Leonardo Boff, que também estava na platéia e depois falou.

Solenidade de entrega do Premio João Canuto

O Premio João Canuto foi criado pelo Movimento Humanos Direitos, fundado em 2003, por um grupo de artistas, intelectuais, padres, professores, com a intenção via a imagem pública de artistas engajados na causa, dar visibilidade às violações dos direitos humanos como o trabalho escravo, a prostituição infantil, a luta pela demarcação das terras indígenas e das áreas dos quilombolas e em favor de ações socio-ambientais.


Dom Fernando Saburido e Ricardo Paiva (Foto: Fernando Machado)

Após várias ameaças de morte, o dirigente sindical, João Canuto, foi assassinado com 18 tiros, no dia 18 de dezembro de 1985. Ele era perseguido principalmente por sua luta pela reforma agrária. O crime foi planejado por um grupo de fazendeiros do sul do Pará, entre eles Adilson Carvalho Laranjeira, fazendeiro e prefeito de Rio Maria na ocasião do assassinato, e Vantuir Gonçalves de Paula. O prêmio é uma homenagem a esse herói paraense.


A atriz Bete Mendes e o desembargador Damir Vrcibradic (Foto: Fernando Machado)

Coube ao ator Sergio Marone entregar o primeiro premio João Canuto da noite e ele foi para o desembargador da Republica do Pará Felicio de Araujo Pontes Jr. Na seqüência tivemos a atriz Bete Mendes entregando a diretora geral da Policia Rodovi´ria Federal Maria Alice Nascimento Sousa, que foi representada por Márcia Freitas Vieira. O ator Osman Prado o entregou da professora e ambientalista do Pará Laísa Santos Sampaio.

Dira Paes e Priscila Camargo com os oito premiados (Foto: Fernando Machado)

O ator Eduardo Tornaghi foi incumbido de entregar o João Canuto para o educador e defensor dos Direitos Humanos do Maranhão Gil Quilombola, que se entusiasmou e quase não deixa o palco. Chegou até a cantar músicas do quilombo. O quinto a receber o premio foi o nosso querido arcebispo Dom Fernando Saburido e a entrega coube à Dira Paes.


Laisa Sampaio e Osman Prado (Foto: Fernando Machado)

Ainda tivemos Dira Paes entregando o da secretária da Mulher do Recife e fundadora da Ong Apitação Rejane Pereira. Como não podia deixar de acontecer ela levou apitos e comandou uma orquestra de apitaços. A cineasta carioca Lucia Murat recebeu o seu premio do ator Marcos Winter e a Leticia Sabatella entregou o último para a teóloga e defensora dos direitos humanos do Rio de Janeiro Marcia Miranda. Também gostei muito do seu speeh.


O deputado federal do PT Alessandro Molon (Foto: Divulgação)

A presença mais elegante e bonita não foi nenhum ator e sim o deputado federal Alessandro Molon. Também anotamos o secretário Antônio Figueira, presidente da Hemobras Romulo Maciel Filho, Ricardo Paiva do Creme-pe, os jornalistas Italo Rocha e Jô Mazzarolo com o irmão frei Isidoro, a economista Telma Liege.

Dom Fernando & Direitos Humanos

Conforme esta coluna já divulgou, o arcebispo de Olinda e Recife, Dom Antonio Fernando Saburido, recebe hoje, às 18h, no Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFRJ, o Premio João Canuto 2012. É uma promoção do Movimento Humanos Direitos e do Grupo de Pesquisa Trabalho Escravo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estarão aplaudindo Dom Fernando Saburido Jô Mazzarolo, Italo Rocha, Telma Liege e esse cronista.


A jornalista Jô Mazzarolo e dom Antônio Fernando Saburido (Foto: Fernando Machado)

Além de Dom Antonio Fernando, vão receber o prêmio Felicio de Araújo Pontes Jr (Procurador da República do Pará), Gil Quilombola (Educador e Defensor dos Direitos Humanos do Maranhão), Laísa Santos Sampaio (Professora Ambientalista do Pará), Lucia Murt (Cineasta do Rio de Janeiro), Márcia Miranda (Teóloga e Defensora dos Direitos Humanos do Rio de Janeiro), Maria Alice Nascimento Sousa (Diretora Geral da Policia Rodoviária Federal) e a ONG Apitaço (cuja fundadora é Rejane Maria Pereira da Silva de Pernambuco).