Fernando Machado

Blog

Réquiem para Tereza Halliday

Uma nuvem de tristeza encobriu este cronista, quando chegou a noticia do falecimento, hoje, de minha querida amiga, mestra, escritora e jornalista Tereza Lúcia Halliday Levy. Atuou nos consulados da França e dos Estados Unidos e no Diário de Pernambuco. Tereza que era uma figura notável, fazia do nosso blog sua leitura diária. Lecionou na Universidade Católica de Pernambuco e Universidade Federal Rural de Pernambuco.

tereza-halliday

Uma lady chamada Tereza Halliday (Foto: Fernando Machado)

Após sua aposentadoria, Tereza dedicou-se ao trabalho de lapidar textos de terceiros para melhor apresentação, trabalhando a forma e o estilo, daí o título que ela mesma cunhou: Artesã de Textos. Ela lutou contra um câncer por um ano. Estava internada no Hospital Memorial São José e seu corpo será cremado no cemitério Morada da Paz, em Paulista. Sempre encontrava a minha amiga fazendo Cooper nos finais de tarde no calçadão de Boa Viagem. Estou arrasado.

 

12
7 Discussions on
“Réquiem para Tereza Halliday”
  • Tereza Halliday é referência para minha vida, a partir da Universidade. Foi minha professora em Fundamentos Científicos da Comunicação, no curso de Jornalismo da Universidade Católica de Pernambuco. Ali ganhei também uma amiga, com quem ultimamente me correspondia por e-mail.
    Lúcida até sempre, Tereza me impressionava por sua poderosa antena. Num tempo em que nem sonhávamos com Internet, Tereza estava sempre em dia com o que se relacionava à comunicação e tudo o mais no Brasil e no Mundo.
    De alma cosmopolita, ela nos ajudava a situar-nos nas evoluções sobre a Comunicação, assim como nos levava a importantes reflexões sobre o tema e os intensos câmbios sociais.
    Uma das mais vibrantes inteligências na Universidade, era também sensível e cheia de amplitude humana e elevado espírito e ética.
    Estudiosa desde a infância, sempre com medalhas e primeiros lugares, na escola e em concursos, ela levou o conhecimento muito a sério. Intelectual sem nenhum ranço.
    Tereza Halliday é preciosa referência para mim, de presença constante em minha mente, como um Ícone de um tipo humano que eu gostaria de ser.
    Foto de Jazilda Campos.

  • Saudades da Artesã de Textos

    No início dos anos 2000, em uma viagem Natal/Brasília, na escala em Recife, uma senhora sentou-se ao meu lado. Como não sou de conversar durante o vôo apenas nos cumprimentamos civilizadamente. Após a decolagem cada um de nós pegou seu livro. Ao olhar de lado percebi que o livro que a senhora estava lendo era de autoria de Tereza Halliday. Disse para a senhora que conhecia a autora do livro e para minha surpresa ela falou: Eu sou Tereza Halliday.
    Na verdade não a conhecia pessoalmente. Nossas famílias são muito amigas mas quando frequentei sua casa, em Recife no ano de 1996, Tereza estava morando na Inglaterra.
    Todo o trajeto de nossa viagem foi para nos atualizarmos sobre nossos familiares. Anotamos nossos e-mails e passamos a nos comunicar constantemente. Passei inclusive, a fazer parte da sua lista de Seletos Amigos.
    No ano de 2010, quando embarquei na aventura de escrever um livro, tive a colaboração/incentivo/critica de Tereza. Foi de uma dedicação primorosa e digamos assim, responsável pelo sucesso de Confesso que Menti.
    No ano passado, recebi com muito orgulho e satisfação, o livro de Tereza, Rua Santa Gata, em comemoração aos seus 70 aninhos. Uma delícia de leitura.
    Hoje, 26 de abril, tive a notícia do falecimento de Tereza Halliday. Fiquei triste. Muito triste.
    Aníbal Barbalho

    Apesar da amizade entre nossas famílias

  • Conheci Tereza em 1966 na Faculdade de Comunicação da Universidade Católica de Recife. Eu também era estudante de Engenharia na Universidade Federal de Recife, quando conheci Tereza. Ela era minha professora no curso de jornalismo. De cara fiquei encantada com as aulas dela. Daí, nasceu uma amizade que se tornou grande em pouco tempo. Naquele tempo, entrei no movimento estudantil contra a ditadura, fui expulsa da PUC e procurada pelo DOPS. Consegui concluir o curso de engenharia (na ocasião estava no último ano)e com a ajuda de amigos, consegui me transferir para São Luis/Ma.

    Durante muitos anos, mantive uma longa correspondência com Tereza, recebi dela carinho e apoio. Depois, Ela e Henrique foram para Wiscosin para fazer seus cursos de mestrado e dotouramento. Eu já morava e trabalhava no Rio de Janeiro, quando fui a trabalho aos EUA e tive a honra de visitá-la e ficar hospedada em sua casa. Daniel era pequenino. Continuamos a correspondência até agora. Por ela fui convidada a participar com alguns poemas no livro \”Palavra de Mulher\” (acho que editado por uma sua amiga).
    Numa de suas viagens ao exterior, também esteve comigo aqui no Rio. Estive com ela em Recife, depois da ditadura.

    Quando adoeceu, passei a telefonar com frequência para ela e estranhei quando não mais recebi a sua crônica quinzenal. Liguei uma última vez, mas o telefone tocou sozinho…

    Perdi uma grande amiga que me emprestou seu apoio nos momentos mais difíceis da minha vida.Uma grande pessoa, uma intelectual de alto nível e com princípios éticos que perspassava sua vida em todos os aspectos, tanto pessoais quanto profissionais.

    Agora, você está livre Tereza. Conversamos muito sobre isso. Livre, aonde você estiver. E com certeza será muito feliz na continuação de sua vida, junto com seus familiares que também já terminaram suas lições aqui na Terra.

    Mas saiba que deixou aqui, uma amiga que já está sentindo e sentirá muitas saudades de você…

    Obrigada a todos vocês que me enviaram esse email.

  • TEREZA LÚCIA, AINDA E SEMPRE
    De ROSA PORTELA WANDERLEY MEDEIROS, em nome das Concluintes do Curso Clássico e do Magistério de 1962 do Colégio de São José, Recife.

    No jardim das amizades perenes
    Fez do seu tempo fiel paladino
    Nos contextos conturbados ou solenes
    Com maestria regeu o seu destino

    Do Artesanato, Textual Genial e Panteísta,
    No compasso de sinfonia grácil
    …se transformou em luz bem mais sutil.
    Se bem mudada em mais fulgor ainda,

    Nos ilumina, agora, na saudade:
    Réstia de amor e de felicidade
    da convivência com essa luz infinda !…

    Agradecendo,então, sua amizade,
    Continuamos devotas, com fidúcia.
    Até breve ou até sempre, querida Tereza Lúcia.

    Recife, 26/04/2015.

    Rosa Portela Wanderley Medeiros.

  • A festa foi linda e eu pretendo se chegar aos cem anos promover um belíisismo baile Veneziano aqui em
    Recife que é o grande sonho da minha vida!Otacílio é um ícone do Clube Internacional e mereceu essa \\Parabéns!

  • A festa foi linda e eu pretendo se chegar aos cem anos promover um belíisismo baile Veneziano aqui em
    Recife que é o grande sonho da minha vida!Otacílio é um ícone do Clube Internacional e mereceu essa Parabéns! Este é o meu p´rimeiro e único comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.