Fernando Machado

Blog

Categoria Moda

Brazilian Nature Rhodia/O Cruzeiro

Há 55 anos, era lançada nos Estados Unidos, a coleção Brazilian Nature da Rhodia, promovido pela revista O Cruzeiro. Depois ela foi lançada no Recife, em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. As manequins foram Patrícia, Giedra, Lucia, Inge, Mariela e Paula. Quanta saudades deste tempo.

Dener, José Nunes, Guilherme Guimarães, Ruy e Marcílio Campos, na outra foto as manequins Inge, Mariela, Paula, Patricia, Giedre e Lucia (Fotos: O Cruzeiro)

Os tecidos foram criados por Lula Cardoso Ayres, Heitor dos Prazeres, Aldemir Martins, Lívio Abramo, Zanotto e Darci Penteado. Os modelos foram criados pelos figurinistas Marcilio Campos, Dener (SP), Guilherme Guimarães (RJ), Rui (RS), e José Nunes (SP).

Calvin Klein & Kevin Baker

O figurinista norte-americano Calvin Klein teve dois casamentos. O  primeiro com Jayne Centre Klein, (1964/1974). O segundo com Kelly Rector (1986/2006). Depois destas duas tentativas, saiu do armário e decidiu curtir bofes, afinal de contas tem um casting de modelos maravilhosos. Entre os namorados CK ficou com o ex-ator pornô Nick Gruber, alguns brasileiros e desde março está com o modelo lindo de viver Kevin Baker.

Kevin de mãos dada com Calvin, e Calvin com o irmão Joel by Dsquared2 (Fotos: Divulgação)

Klein, do alto dos seus 74 anos dirige seu colossal império fashion, assim como o novo namorado, seu modelo exclusivo, Kevin Baker de 29 anos. Em março assumiram o romance, e circularam de mãos dadas quando chegavam para apresentação do American Ballet Theatre, em Nova Iorque. Kevin tem um irmão gêmeo Joel tão malavilhoso quanto ele. Pelo visto Calvin Klein é guloso.

O São João de Antigamente

“Olha pro céu, meu amor / Vê como ele está lindo / Olha praquele balão multicor / Como no céu vai sumindo / Foi numa noite igual a esta / Que tu me deste o coração / O céu estava assim em festa / Pois era noite de São João / Havia balões no ar / Xote, baião no salão / E no terreiro o teu olhar / Que incendiou meu coração”. Esta música de Luiz Gonzaga retrata como era bonita a festa junina de Pernambuco antigamente.

Alceu Penna criou a Garota junina para a revista O Cruzeiro de 29 de junho 1957

Atualmente não existem mais balões, por questão de segurança. As fogueiras estão em fase de extinção. Será que alguém lembra as garotas levando bacias para junto das fogueiras. Lá acendiam uma vela e seus pingos ao cair na água formavam o nome do rapaz com que deveria se casar. Agora a meninas vão caçar os namorados na internet. È mais prático, mas não tem aquele glamour. Lamartine Babo compôs uma marcha de carnaval, que depois virou musica junina. Isso é lá com Santo Antônio.

Alceu Penna criou este arraiá para as Garotas para a O Cruzeiro de 22 de junho de 1957

“Eu pedi numa oração / Ao querido São João / Que me desse um matrimônio / São João disse que não! / Isto é lá com Santo Antônio! / Implorei a São João / Desse ao menos um cartão / Que eu levava a Santo Antônio / São João ficou zangado / São João só dá cartão / Com direito a batizado / São João não me atendendo / A São Pedro fui correndo / Nos portões do paraíso / Disse o velho, num sorriso: / – minha gente, eu sou chaveiro! / Nunca fui casamenteiro! / Matrimônio! matrimônio! / Isto é lá com Santo Antônio”.

Que saudade das quadrilhas juninas de antigamente (Foto: Divulgação)

E as quadrilhas matutas, também desapareceram. Tem agora somente as dos políticos. As atuais foram batizadas de estilizadas, que são terríveis. Lembram mais alas de escolas de samba. As comidas juninas já não são mais as mesmas. Vamos a uma festa e a canjica e a pamonha, não tem aquele sabor gostoso. O milho verde cozido geralmente é duro. Um horror. E na música é pior ainda. Os prefeitos trazem sertanejos para animar seus arraiais. Caruaru que segundo Onildo Almeida era a capital do forró, não é mais. Por isso não vou mais festas juninas.

Olivia Rebouças: Miss Brasil de 1962

Há 55 anos acontecia no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, a escolha de Miss Brasil de 1962. Cerca de 30 mil pessoas viram Miss Bahia, Maria Olivia Rebouças ser coroada Miss Brasil de 1962 pela Miss Brasil de 1961, Vera Maria Brauner, que substituiu a vencedora Stäel Abelha que renunciou ao titulo para se casar. O concurso foi transmitido pela TV Tupi.

As misses desfilando na passarela de 128 metros (Foto: O Cruzeiro)

A foto oficial das candidatas (Foto: Manchete)

Maria Olivia representou o Brasil no Miss Universo. A segunda colocada Julieta Strauss de São Paulo representou o Brasil, no Miss Beleza Internacional e a terceira Vera Lucia Saba, representou o Brasil no Miss Mundo. Em quarto lugar ficou o Eva Maria Maia do Rio Grande do Sul e em quinto Elizabeth Ramos Daniel do Espirito Santo. A Miss Simpatia foi a cearense Rita Nobrega de Melo.

Julieta, Olivia e Vera; Maria Olivia sendo coroada por Vera Brauner (Fotos: O Cruzeiro e Manchete)

Participaram do concurso Salete Pinto de Mendonça (Alagoas), Raimunda Mendes Pacheco (Amapá), Suely Moura de Melo (Amazonas), Maria Olívia Rebouças (Bahia), Rita Nóbrega de Melo (Ceará), Sílvia Marisa Resende (Distrito Federal), Elizabeth Ramos Daniel (Espirito Santo), Dilma Dias Duarte (Goiás), Vera Lúcia Saba (Guanabara), Maria Augusta Aguiar (Maranhão), Delcy de Oliveira (Mato Grosso), Sílvia Mary Mileo Silva (Minas Gerais).

Maria Olivia, Julieta e Vera Lucia em vestido de noite (Fotos: O Cruzeiro)

Ainda Syme Benaion Bohadana (Pará), Terezinha Arraes de Alencar (Paraíba), Ana Maria Ribeiro Gonçalves (Paraná), Terezinha Costa Frazão (Pernambuco), Lívia Carneiro da Cunha (Piaui), Célia Maria Spínola Leite (Rio de Janeiro), Geórgia de Lucca Quental (Rio Grande do Norte), Eva Maria Arismende Maia (Rio Grande do Sul), Márcia Reis (Santa Catarina), Julieta Maria Straüss (São Paulo) e Gleide Maria de Freitas (Sergipe).

Vera Maria Brauner no seu desfile de despedidas (Foto: O Cruzeiro)

Fátima das Neves Silva, segundo lugar no Miss Guanabara de 1962 representou o Amazonas no Miss Brasil de 1963. Miss Maranhão, Maria Augusta Salmen Aguiar era irmã da Miss Maranhão de 1960, Merle Salmen Aguiar. Quando Miss Mato Grosso, Delcy de Oliveira, entrou na passarela que tinha 128 metros, o publico cantou Marcha Soldado, Cabeça de Papelão.