Fernando Machado

Blog

Categoria Pausa Poética

Pausa poética

“Os sentimentos mais genuinamente humanos logo se desumanizam na cidade.” Eça de Queiroz (1845/1900)

Pausa Poética

“Procurava fazer como meu marido: tratava o jornal (Jornal do Brasil), como uma grande família”. Condessa Maurina Pereira Carneiro (1899/1983)

Pausa Poética

“Teus olhos verdes eu fito / Mas logo depois não sei / Se foi do excelso infinito / Divina estrela que olhei”. Edwiges de Sá Pereira (1885/1958)

Pausa Poética

“As estrelas não chegamos a cobiçar, a esperança… oh, a esperança tem sido a melhor coisa na vida”. Thomas Mann (1875/1955)