Fernando Machado

Blog

Categoria música

Julio Braga: Um nome que a história guardou

Há 25 anos, morria no Recife, Júlio Braga, pianista e compositor. Ele nasceu em Olinda, no dia 24 de abril de 1918. Era filho primogênito de Pedro Affonso da Silva Braga e Branca Faria da Silva Braga. Aos oito anos compôs sua primeira peça e aos dez fez seu primeiro concerto no Teatro Santa Isabel, no Recife. Júlio Braga estudou no Conservatório Pernambucano de Música e foi dedicado discípulo do reconhecido professor e pianista Manuel Augusto dos Santos. Já na década de 1930 realizava concertos por vários estados do país.

O notável pianista e compositor Julio Braga (Foto: Divulgação)

Em 1948, venceu o Concurso Philips da Holanda, realizado no Rio de Janeiro, por unanimidade entre os pianistas brasileiros, o que lhe abriu as portas para os concertos internacionais. Recebeu como prêmio uma viagem a Europa e do Governo Pernambucano, na época, Barbosa Lima Sobrinho, uma bolsa de permanência para aperfeiçoar seus estudos em Paris. Realizou concertos na França, Holanda, Inglaterra. Em seguida, apresentou-se na Venezuela, Porto Rico, Trinidad e Tobago e Estados Unidos, sempre recebendo as críticas mais favoráveis.

Julio Braga adolescente e adulto (Fotos: Acervo da Família)

Foi excelente intérprete de Bach, Mozart, Chopin, Claude Debussy, Prokofiev, Brahms, Schumann, Weber e, claro, Heitor Villa-Lobos. Além desse consagrado compositor, Júlio Braga sempre fez questão de incluir em seus concertos outros grandes compositores brasileiros, divulgando, assim, a boa música nacional em outros países. Suas atuações mais marcantes, no exterior, foram, sem dúvida, a do dia 25 de novembro de 1948, na Maison Gaveau, em Paris e a de 19 de julho de 1959, no Carnegie Hall, em Nova Iorque, onde apresentou, entre os clássicos costumeiros, o seu Allegro Apassionato.

O pianista Julio Braga em dois momentos de música erudita (Fotos: Acervo da família)

Ainda pelos Estados Unidos incluiu concertos no Carl Fischer Concert Hall e no Steinway Hall, ambos em Nova Iorque, além de apresentações na Florida e em Washington, DC, com elogiosa repercussão na imprensa. Durante alguns anos Júlio Braga foi lembrado e homenageado nos Concertos Olindenses, realizados na data de sua morte, com o apoio da Prefeitura de Olinda. Nessas ocasiões, sua música foi executada pela grande pianista pernambucana, Graciéte Câmara Quadros, sua amiga fraterna. O texto foi escrito pela professora de musica, Gedeane Costa.

Ângela Maria deixou nossa alma vazia

Ainda não me acostumei com as partidas. Sábado a eterna Rainha do Radio, Ângela Maria, foi cantar no céu. Eu fiquei órfão, afinal de contas ela foi minha musa desde que me entendo de gente. Mas nós da terra estamos tristes. Abelim Maria da Cunha nasceu no Rio de Janeiro do dia 13 de maio de 1929.

Ângela Maria em fevereiro de 1956 (Foto: O Cruzeiro)

Agora Angela e Cauby Peixoto devem estar cantando Ave Maria no Morro: “Barracão de zinco sem telhado / Sem pintura / Lá no morro / Barracão é bangalô / Lá não existe felicidade de arranha-céu / Pois quem mora lá no morro / Já vive pertinho do céu / Tem alvorada / Tem passarada alvorecer / Sinfonia de pardais / Anunciando o anoitecer / E o morro inteiro / No fim do dia reza uma prece / Ave Maria”.

Emilinha Borba coroando Ângela Maria como Rainha do Radio de 1954 (Foto: Internet)

Muitos artistas se inspiraram na Ângela Maria, como Elis Regina, Djavan, Milton Nascimento, Ney Matogrosso, Gal Costa, para citar apenas estes. Ela reinou na Era de Ouro do Rádio. O presidente Getulio Vargas a chamava de Sapoti porque tinha uma voz doce. Começou a cantar escondido da família até que em 1951 recebeu autorização.

A realeza do radio brasileiro: Marlene, Emilinha Borba, Cauby Peixoto e Ângela Maria (Foto: Internet)

Depois de 70 anos de carreira, o destino conseguiu calar a boca da melhor de uma das mais belas vozes do Brasil. Angela encerro com essa letra: “Quem descerrar a cortina / Da vida da bailarina / Há de ver cheio de horror / Que no fundo do seu peito / Existe um sonho desfeito / Ou a desgraça de um amor / Os que compram o desejo / Pagando amor a varejo / Vão falando sem saber / Que ela é forçada a enganar / Não vivendo pra dançar / Mas dançando pra viver!”

A Ópera Rita

Academia de Ópera e Repertório da UFPE e Sinfonieta UFPE apresentam de hoje até domingo, no Teatro de Santa Isabel, a Ópera Rita, de Gaetano Donizetti. A Direção geral e regência são de Wendell Kettle; e no elenco estão Gleyce Melo, Lucas Melo, Rodrigo Cruz e Anderson Rodrigues.

Lucas e Gleyce Melo com Rodrigo Cruz (Foto: Divulgação)

A chegada do maestro Wendell Kettle ao Recife, há um ano, trouxe muita efervescência no campo da música operística e sinfônica. Ele vem investindo nos artistas locais do canto lírico e jovens instrumentistas. Horário dias 3 e 4, às 16h; dia 5, às 20h e no dia 6 às 18h. A entrada é gratuita.

Variedades

O malavilhoso Paul Inskandar, Mister International de 2017 (Foto: Concurso)

Na próxima segunda-feira, no Teatro Nacional de Rangun, em Rangun, em Mianmar, será eleito o Mister International de 2018, Devem participar do evento 36 candidatos. O vencedor vai receber a faixa do Mister International de 2017, o francês radicado no Líbano, Paul Inskandar. O concurso será apresentado por Michel Bristol. Vamos ter um desfile de trajes típicos, sunga, e outro de traje de noite. O Brasil está sendo representado pelo potiguar Leonardo Nobre, que tem 29 anos e 1m85 de altura. Seu traje típico é de cangaceiro.

Alessio Costantini da Suíça, Leonardo Nobre do Brasil e Arkady Zadrozny da Polonia (Missosology)

A orquestra barroca Les Passions, fundada pelo flautista Jean-Marc Andrieu em Toulouse em 1986, especializada na prática de instrumentos de época. Sua abordagem artística concilia dois princípios: o respeito das técnicas instrumentais antigas e a interpretação do discurso musical. Amanhã, às 19h, ela se apresenta na Igreja de São Pedro dos Clerigos. No programa Francois Couperin (1681/1767), Georg Philipp Telemann (1681-1767), Henry Purcell (1659-1695), Antonio Vivaldi (1678-1741) e Georg Philipp Telemann.

Quinteto barroco Les Passions (Foto: Divulgação)