Fernando Machado

Blog

Categoria futebol

Morre Cabral, um ídolo tricolor

O deus de ébano tricolor Cabral (Foto: Luiz Gonzaga)

Enquanto o Brasil comemorava, sábado, o bicampeonato do Flamengo, na Libertadores, o futebol pernambucano perdia um ídolo. Estamos nos referindo ao lateral José Paes Cabral, que nasceu no dia 1 de janeiro de 1948, Pernambuco. Foi campeão pelo Santa Cruz em 1969, bi em 1970, tri em 1971, tetra em 1972 e penta em 1973.

Gena, Rivaldo, Valter, Detinho, Antonino e Cabral; agachados: Miruca, Givanildo, Fernando, Santana, Luciano e Ramon (Foto: Memórias do Santa Cruz)

Cabral tinha 1m79 de altura, jogou começou sua carreira, aos 19 anos pelo Clube Ferroviário do Recife. Em 1974 jogou pelo Rio Negro do Amazonas, pelo Sporting de Portugal e pelo America do Recife, em 1975. Era viúvo e encerrou sua vida esportiva em 1986, aos 38 anos, jogando pelo Paulistano de Pernambuco.

Cabral O bicampeão pernambucano Cabral (Foto: Memórias do Santa Cruz)

Seleção Cacareco de 1959

Há 60 anos, Pernambuco era escolhido para representar o Brasil no Campeonato sul-americano de futebol, em Guaiaquil, no Equador. O técnico Gentil Cardoso convocou os 22 jogadores para a seleção brasileira que recebeu o apelido de Cacareco.

O selecionado brasileiro by Pernambuco antes do embarque (Foto: Reprodução do DP)

Santa Cruz 9 atletas: Walter Serafim, Jorge Carvalho, Edson Santos, Biu (Severino Silva), Servilho (José de Lucas), Dodô (Haroldo Silva), Tião (Sebastião dos Santos), Moacir Francisco dos Santos, Mainha (Rinaldo Amorim Maia), Zé de Melo (José Inacio de Melo), Goiano (Clemilton Ataide Cavalcanti), e Clóvis Pinheiro Santos.

A delegação na abertura dos jogos (Foto: Reprodução do DP)

Nautico 7: Paulo Pisaneshi, Waldemar Chiarelli, Givaldo Cordeiro, Zequinha (José Pereira Miná), Nancildo Nepomuceno, Hémilton Freitas, Geraldo José da Silva, Elias Oliveira e Fernando Salvador.

A delegação da Cacareco ainda na abertura dos jogos (Foto: Reprodução do DP)

Sport 7: Bria (Cosme Rodrigue de Mélo), Nei Bezerra Andrade, Zé Maria (José Maria Salles), Tomires de Souza Galvão, Bé (Roberto Bocaelli), Oswaldo Martins e Zeca (José Cardoso Reis).

O time Cacareco no Equador (Foto: Reprodução do DP)

Ferroviário 3: Zeca (José Carlos Reis), Neco (Manuel Pereira dos Santos) e Amâncio (José Américo Silva). Ibis 3: Vantu (Vantil Santos), Paraíba (Inaldo Lima Silva) e Jovelino Candido Fernandes. Asas: Manoelzinho (Manoel Bezerra).

O perfume Neymar Jr chega em maio

Um dos maiores jogadores de futebol da história, Neymar Jr., uniu-se à Diesel Fragrances para uma parceria inédita de co-criação. Além de embaixador global da marca, Neymar é um verdadeiro colaborador se envolvendo em todos os aspectos de uma nova fragrância, desde sua criação, passando pela identidade visual do frasco, até a história da campanha, que logo mais será revelada. Com cerca de 250 milhões de seguidores nas redes sociais, Neymar Jr. está classificado como uma das top 10 celebridades mais famosas no mundo.

Neymar Jr. ataca agora nas fragrâncias (Foto: Divulgação)

A colaboração é um tributo à incrível carreira de Neymar Jr. e a sua história inspiradora, que passa pelos seus dias de infância, jogando futebol no bairro Jardim Glória, periferia da Praia Grande, até a sua ascensão à fama global como um dos maiores jogadores da história do futebol mundial. Se existe uma pessoa que sabe o que é preciso fazer para chegar ao topo, esse alguém é o Neymar Jr. A campanha completa, estrelando Neymar Jr. em seu espírito brincalhão, estreará no dia 19 de maio.

Um jogo inesquecível do Santa Cruz  

Há 100 anos, o Santa Cruz vencia o poderoso Botafogo do Rio de Janeiro, no Campo do Malaquias, do Sport, por 3×2. Foi o primeiro time do norte e nordeste a vencer um time carioca. Os gols foram de Nequinho, Tiano e Miranda pelo tricolor do Arruda e Patriot (2) pelo alvinegro carioca. Naquela tarde os rubro-negros inauguravam sua arquibancada que compraram ao Fluminense do Rio de Janeiro.

O time do Santa Cruz (Reprodução do site Memórias do Santa Cruz)

O Santinha jogou com Ilo Just, Jorge e Bebé; José de Castro, Teofilo e Manoel Pedro, Neguinho, Miranda, Tiano, Pitota e Eurico. O Botafogo jogou com Abreu, Monte e Osny; Burlamaqui, Vadinho e Police, Celso, Patriot, Zé Macaco, Menezes e Leite de Castro. Não esquecer que naquela data estava no Recife, o Pai da Aviação Alberto Santos Dumont.

O time do Botafogo Futebol e Regatas (Reprodução do site Memórias do Santa Cruz)

A torcida do Mais Querido invadiu o centro da cidade. Santos Dumont estava no restaurante Leite, parece, e quando viu aquele alvoroço na Rua da Concórdia, pensou que era para ele. Ficou desapontado, pois os torcedores carregavam Tiano que deu a vitória ao Santa Cruz. Depois ele comentou que torcida animada é essa.

O goleiro Ilo Just um dos grandes nome da tarde e o troféu que o Santinha recebeu pela vitória (Fotos: Diário da Manhã e Edvaldo Leite)

Não esquecer que o juiz carioca, Carlos Nery Stelling, que veio na delegação da embaixada botafoguense, marcou um pênalti inexistente para o Botafogo. O Santa Cruz vencia por 2×1 e Patriot empatou o jogo. Mas no final da partida Tiano fez o gol da vitória e levou a torcida à loucura.