Fernando Machado

Blog

Categoria teatro

O Baile do Deus Morto

A obra multidisciplinar de Flávio de Carvalho (1899/1973), expoente do modernismo brasileiro, será homenageada em exposição na Galeria Almeida e Dale. Com curadoria de Kiki Mazzucchelli, a mostra abre hoje, e reúne registros das polêmicas performances do artista, além de pinturas e desenhos produzidos entre 1930 e 1970. Para marcar a abertura, às 11h30, o Teatro Oficina faz uma apresentação única de trecho da peça O Baile do Deus Morto.

O sociólogo Flavio de Carvalho quando saiu de saiote em São Paulo (Foto: Divulgação)

Escrita pelo artista em 1933, a obra discorre sobre a tragédia da morte de deus e apresenta a vida criativa do homem livre de mitos. Com direção de Marcelo Drummond, os 12 atores da Companhia encenam com a musicalidade característica do Oficina e vestem as réplicas das máscaras criadas por Flávio. Após a encenação, as máscaras serão expostas para o público na mostra individual, em cartaz na Galeria até o dia 19 de outubro.

Réquiem para Marilene Silva

É com tristeza que comunicamos o falecimento, ontem em Macaé, no Rio de Janeiro, da cantora, atriz e advogada Marilene Silva. Um dos grandes nomes do nosso rádio, Marlene Pereira da Silva nasceu em Viçosa, Alagoas, em 7 de fevereiro de 1935. Começou cantando na Radio Difusora de Alagoas. Mocinha veio para o Recife e foi até a Radio Jornal do Commercio para fazer um teste. Foi aprovada e coube a Amarílio Nicéas mudar seu nome para Marilene Silva.

Marilene Silva, um nome que a historia guardou (Foto: Divulgação)

Começou como cantora e depois virou radioatriz. Quando a TV Jornal do Commercio foi inaugurada foi trabalhar no Canal 2. Atuou no programa Você Faz o Show de Fernando Castelão. Depois foi para a TV Rádio Clube, porque começou namorar Paulo Pessoa de Queiroz. Em 1970 trocou o Recife pelo Rio de Janeiro, onde concluiu seu curso de Direito, iniciado na Unicap. Em 1983, se casou com Paulo. Desde ontem que Marilene foi se encontrar com o amor de sua vida.

A nova Paixão do Recife

Termina hoje, às 18h, no Marco Zero, a encenação Jesus, a luz do Mundo – A nova Paixão do Recife, produzida Associação dos Produtores de Artes Cênicas de Pernambuco. Mais de 43 atores e 10 figurantes participam da peça. E não esquecer que é aberto ao publico.  Vinte profissionais irão compor a equipe técnica. O texto e a direção são de Carlos Carvalho.

Cristo e a santa ceia (Foto: Divulgação)

O Cristo está sendo interpretado por Bruno Garcia, o Diabo por Germano Haiut e Herodes por Sergio Gusmmão, Angélica Zenith (Maria), Daniela Travassos (Madalena), Ivo Barreto (Judas), Carlos Lira (Pilatos). Os figurinos são de Manoel Carlos, os cenários levam a assinatura de Célio Pontes e Eron Villar assume a iluminação e assistência de direção. A trilha sonora é do maestro José Renato.

Paixão de Cristo de Nova Jerusalém

Termina hoje a temporada 2019 da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém realizada em Brejo da Madre de Deus. Segundo a produção a média diária de público tem sido de 6 mil pessoas. O maior número de pessoas foi registrado na estreia, quando cerca de 10 mil pessoas estiveram presentes à cidade teatro.  A maioria do público vem do Nordeste, com destaque para Pernambuco e estados vizinhos.

Carlos Reis, Juliano Cazarré e Lúcio Lombardi (Foto: Bruno Lopes)

De acordo com a pesquisa de realizada com o público, cerca de 74% dos pesquisados consideram o espetáculo ótimo ou bom e o restante não opinou. Além disso, cerca de 50% do público já assistiu a Paixão pelo menos uma vez. Ao longo dos seus mais de 50 anos de história, a Paixão de Cristo já registra um público acumulado de aproximadamente 4 milhões de expectadores.

  • 1 2 5