Fernando Machado

Blog

Categoria cinema

Johnny Weissmuller o eterno Tarzan

O eterno Tarzan, Johnny Weissmullr (Fotos: Divulgação)

Há 115 anos, nascia na Romênia, János Weißmüller que aos sete meses sua família de origem alemã emigrou para os Estados Unidos e se tornaria uma legenda no cinema como Tarzan. , personagem de ficção do escritor Edgar Rice Burroughs. Estamos nos referindo ao Johnny Weissmuller, que morreu em Acapulco no México no dia 20 de janeiro de 1984. Seu grito mexia com os adolescente entre os anos 50 e 80.

Johnny Weissmuller quando nadador (Fotos: Divulgação)

Johnny foi um brilhante nadador e conquistou cinco medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 1924 e 1928. Ele estabeleceu 67 recordes mundiais de natação e ganhou 52 campeonatos nacionais, sendo considerado um dos melhores nadadores de todos os tempos. Abandonou as piscinas e seguiu outra carreira de sucesso, quando a partir de 1934 se imortalizou como Tarzan. Weissmuller fez doze filmes como o homem macaco, celebrizando o famoso e estilizado grito da personagem.

Weissmuller em Nova York em 1922 brincando de musico (Foto: Getty Images)

Do alto dos seus 1m90 de altura a MGM que procurava um ator atlético para interpretar a figura de Tarzan na adaptação para as telas.  Em 1932 fez Tarzan the Ape Man (Tarzan, o Homem Macaco), que resultou num grande sucesso. O seu famoso rugido da selva o popularizaria enquanto batia com os punhos no peito.

No filme, Tarzan Finds a Son, rodado em 1939  (Foto: Divulgação)

Também interpretou com sucesso a personagem Jim das Selvas entre 1948 e 1955. Foram dezesseis filmes ao todo, com duração média de setenta minutos cada. Em 1955, a série transferiu-se para a TV, tendo sido feitos vinte e seis episódios de meia hora cada. Todavia a idade pesa ficou obeso, mesmo assim Johnny Weissmuller tentou dar vida a uma personagem atlética e aventureira, remetendo Tarzan. Esse final melancólico marcou sua despedida das câmaras. Com quase 50 anos, Weissmuller mudou-se para Chicago, onde fundou uma empresa de piscinas. Aposentou-se em 1965 e no ano seguinte juntou-se aos ex-Tarzans Jock Mahoney e James Pierce numa campanha publicitária de lançamento da Tarzan na televisão, estrelada por Ron Ely.

Johnny Weissmuller na meia idade e com a atriz Maureen O’Sulliivan (Fotos: Divulgação)

Em 1967 sua imagem foi imortalizada na capa do elepê Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles. E finalmente em 20 de janeiro de 1984, Johnny Weissmuller faleceu por conta de um edema pulmonar em Acapulco, no México, onde vivia com a sexta esposa sete anos depois de se recuperar de uma trombose. Johnny Weissmuller ou o eterno Tarzan, encontra-se sepultado no Panteão Vale da Luz, em Acapulco. Foi casado por cinco vezes. O primeiro com a cantora Bobbe Arnst (1931/1933), depois com atriz Lupe Vélez (1933/1939), na sequencia com Beryl Scott (1939/1948), Allene Gates (1948/1962) e Maria Baum (1963 até a morte em 1984). Com Beryl teve dois filhos Johnny (23.9.1940/27.7.2006), Wendt Anne (01.06.1942) e Heidi Elizabeth (31.07.44/19.11.62).

Festival de Cannes

Brooklyn Beckham e Hana Cross foram vistos usando óculos de sol Salvatore Ferragamo em Nice, na França, quando chegaram à cidade para o Festival de Cinema de Cannes. Brooklyn, filho de David Beckham, e da modelo Victoria Beckham, usava óculos de sol da coleção-cápsula masculina de Salvatore Ferragamo. Já a modelo Hana Cross usava óculos marcante, geométrico e de tartaruga, da atual coleção feminina da marca. 

Hana Cross e Brooklyn Beckham no Aeroporto de Nice (Photo by Photopix/GC Images)

Aos 54 anos, a atriz e embaixadora de Lancôme, Penélope Cruz, fez pescoços virarem ao cruzar o tapete vermelho do Festival de Cinema de Cannes, que acontece na França, com sua beleza radiante. Para a estreia do seu novo filme Dor e Glória, a espanhola optou por um cabelo preso, realçando pele madura e saudável com uma maquiagem impecável realizada pelo makeup artist Pablo Iglesias com produtos Lancôme.

 

Bastião: O Poeta Analfabeto

O documentário pernambucano Leonardo Bastião, o poeta analfabeto (2019), de Jefferson Sousa, foi o único filme brasileiro a entrar na Seleção Oficial do Viva Film Festival 2019, na Bósnia e Herzegovina, um dos maiores festivais de cinema do sudeste europeu. Além deste, integra a seleção oficial do XXIII International Ecological Film Festival To Save And Preserve, da Rússia, e o Lift-Off Global Network UK, do Reino Unido.

O diretor Jefferson Sousa (Foto: Divulgação)

O filme é rodado na zona rural de Itapetim, no Sertão do Pajeú de Pernambuco, em uma casinha de taipa, onde vive Leonardo Bastião, 74 anos, um poeta que, mesmo sem saber ler ou escrever, construiu, por intermédio da sua poesia metrificada de improviso, um universo cultural avassalador. Após quase sete décadas no anonimato, vídeos de Leonardo declamando versos autorais alcançaram milhões de visualizações na internet e até geraram um livro transcrito por fãs.

O poeta Leonardo Bastião (Foto: Divulgação)

O orçamento do filme foi de 3 mil reais. A direção, produção, roteiro e montagem são de Jefferson Sousa. No elenco temos Leonardo Bastião; Bernardo Ferreira (produtor cultural); o professor Marcos Nunes; o escritor e pesquisador Saulo Passos; o poeta e escritor Zé Adalberto. O link: https://www.imdb.com/title/tt10200044/.

No Tapete Vermelho do Oscar

Amy Adams by Versace e Kiki Layne by Versace (Fotos: E! e NYT)

Marie Kondo by Jenny Packham e Michelle Yeoh by Elie Saab (Fotos: Getty e NYT)

Serena Williams by Armani e Shangela by Diego Montoya (Fotos E! e AP)

  • 1 2 9