Fernando Machado

Blog

Categoria cinema

Dira Paes é Pureza

Pureza é um longa-metragem inspirado em fatos reais. O filme narra a história de uma mãe que procura por seu filho desaparecido e o encontra numa rede de fazendas praticando o trabalho escravo no interior da Amazônia. Ela se emprega numa dessas fazendas onde testemunha o tratamento brutal de trabalhadores rurais e o desmatamento florestal, mas consegue escapar e denuncia os fatos às autoridades Federais.

Dira Paes conversando com Renato Barbieri (Foto: Magno Barros)

O longa Pureza está sendo rodado em Marabá, com Dira Paes, que vive a protagonista que dá nome ao filme; Flávio Bauraqui, que interpreta o capataz Narciso; e Matheus Abreu que faz Abel, o filho de Pureza. Mariana Nunes, Claudio Barros e Sergio Sartório completam o elenco. O roteiro é de Renato Barbieri e de Marcus Ligocki Jr., que também assina a produção executiva ao lado de Affonso Beato e Paulo Morelli. O filme é produzido pela Gaya Filmes e Ligocki Entretenimento.

Maior que o Mundo

Depois de três semanas e meia intensas, as filmagens de Maior que o Mundo foram concluídas quinta-feira, em São Paulo, com a produção da Popcon, leia-se Tatiana Quintella, escrita por Reinaldo Moraes, autor dos romances Tanto faz (1981) e Abacaxi (1985). Na trama, Eriberto Leão (O Outro Lado do Paraíso, Assalto ao Banco Central e De Pernas pro Ar 2) vive o protagonista Kbeto, um escritor em crise criativa e moral. No elenco, entre outros, temos ainda Maria Flor, Giovanni Venturini, Carolina Dias, Gabi Lopes, Lucas Miagusuku, Gabriel Godoy, Fernanda Young, Luana Piovani.

Maria Flor, Gabi Lopes, Eriberto Leão e Luana Piavani (Foto: Flavia Montenegro)

Sinopse: Kbeto, um escritor cinquentão que sofre de bloqueio criativo há 20 anos vive atrás de inspiração para escrever seu segundo romance e dar continuidade a uma interrompida carreira literária. Em intermináveis sessões de boemia explícita no Baixo Augusta, em São Paulo, Kbeto leva uma vida cuja única preocupação é onde irá beber ou transar a seguir. Certa noite, por absoluto acaso, topa com um diário jogado numa caçamba. Entusiasmado pela história do anão Altair, transcreve o bombástico manuscrito e vende como uma história sua. É aí que seus problemas começam: o verdadeiro autor da história não demora a aparecer com um uma ira criminosa que faz seu dedo coçar de vontade de apertar o gatilho.

Uma Quase Dupla

Semana passada aconteceu, no Cinemark do Iguatemir São Paulo, aconteceu a pré-estreia do filme Uma Quase Dupla, somente para convidados. A noitada foi muito prestigiada e concorrida. No evento tivemos a presença de Cauã Reymond, Tatá Werneck, Marcus Baldini, Daniel Furlan, Alejandro Claveaux, Luciana Paes, Davi Sabbag, Marina Person, entre outros.

Cauã Raymond e Tatá Werneck na pré-estreia de Uma Quase Dupla (Foto: João Sal)

Sinopse: Quando uma série de assassinatos abala a rotina da cidade de Joinlândia, o calmo e pacato subdelegado Claudio (Cauã Reymond) receberá a ajuda da destemida e experiente investigadora Keyla (Tatá Werneck). No entanto, a diferença de ritmo e a falta de química dos dois só atrapalhará a solução do caso. O filme entra em cartaz nos cinemas no próximo dia 19.

As rolinhas do Barão

O documentário Kibe Lanches, dirigido por Alexandre Figueirôa, sobre uma lanchonete especializada em pratos árabes funcionava no bairro do Pina, foi selecionado para a mostra competitiva do Rio Festival de Gênero & Sexualidade no Cinema, que ocorre no Rio de Janeiro, de hoje até o dia 11 de julho.

Barão arrasava na sua lanchonete (Foto: Divulgação)

Na década de 1980, nos finais de semana, além de vender kibes, esfihas, charutos de repolho, entre outras iguarias, o Kibe Lanches transformava-se numa casa de espetáculos improvisada. Grupos de pagode animavam as tardes de domingo; aos sábados, se realizavam festas dançantes; e, nas sextas, o local tornava-se um dos principais pontos de encontro LGBT da cidade, com apresentações de transformistas e um desfile de rapazes.

A Drag Fashion participa do documentário (Foto: Divulgação)

Ousado para a época, com os candidatos desfilando primeiro vestidos e, no final, completamente nus, o inusitado concurso era conhecido como as rolinhas do Barão, referencia ao proprietário do estabelecimento e o animador das festas Luiz Ferreira de Araújo, mais conhecido como Barão. Assista ao trailer do documentário no https://vimeo.com/238947506.

 

 

  • 1 2 4